A Comissão Europeia autorizou hoje a venda de 22,5% do capital da Galp Gás Natural Distribuição pela Galp Energia a um consórcio liderado pelos japoneses da Marubeni, após concluir que a operação não levanta problemas a nível de concorrência.

De acordo com o executivo comunitário, “a aquisição proposta não suscita questões em matéria de concorrência, dado não criar novas sobreposições entre as atividades das empresas” envolvidas na operação, acordada entre as partes em julho passado, e que inclui também os japoneses da Toho Gas.

Em 28 de julho, a Galp Energia, através da sua subsidiária Galp Gas & Power, SGPS, S.A, chegou a acordo com um consórcio liderado pela Marubeni para estabelecer uma parceria no negócio de infraestruturas reguladas de gás natural da Galp, que prevê a aquisição por parte do consórcio de 22,5% do capital social da Galp Gás Natural Distribuição, S.A. (GGND), por um valor de 138 milhões euros, e a partilha de determinados direitos no governo desta sociedade.

Com a ‘luz verde’ de Bruxelas, a Galp Gás Natural Distribuição passará, assim, a ser detida em 77,5% pela Galp e os restantes 22,5% pela Marubeni, um conglomerado fundado em 1858, sediado em Tóquio, com presença em Portugal desde 2013, onde opera na geração elétrica e nos serviços de água e saneamento.