Rádio Observador

Barreiro

Barreiro. Troca de tiros entre polícias e ladrões faz um morto

127

Um assalto a uma carrinha de transporte de valores, no Barreiro, terminou com dois suspeitos feridos a tiro. Um morreu, outro está internado no Santa Maria. Dois polícias sofreram ferimentos.

O assalto aconteceu em Verderena, Barreiro

Google Maps

O assalto a uma carrinha de transporte de valores na noite de sábado, no Barreiro, que resultou em dois assaltantes feridos a tiro — um acabou por morrer no local — e dois polícias feridos está a ser investigado pela Polícia Judiciária. Os dois suspeitos que tombaram na troca de tiros com a polícia não traziam identificação, mas a PJ acredita que tenham já ficha policial e que não seja difícil saber quem são através das impressões digitais. A partir daqui, será mais fácil chegar aos restantes cinco suspeitos.

O crime aconteceu no hipermercado Continente da Verderena, no Barreiro, quando um grupo de assaltantes atacou o funcionário de uma carrinha de transporte de valores da Esegur, que se preparava para recolher o dinheiro somado ao longo daquele dia de trabalho no centro comercial, segundo confirmou o superintendente Viola da Silva, do Comando da PSP de Setúbal.

Segundo fonte da PJ, terão sido testemunhas que se aperceberam do assalto que alertaram a PSP. Quando os assaltantes abandonavam o local foram abordados por uma patrulha da PSP e abriram fogo. Os dois polícias da patrulha saíram do carro na tentativa de intercetar os suspeitos e acabaram feridos por tentativa de atropelamento. Não correm risco de vida.

Na troca de tiros, dois suspeitos tombaram, mesmo com o uso de coletes antibala. “Os suspeitos estavam caídos junto ao carro que tinham usado no crime”, disse fonte da PJ ao Observador. Um deles morreu no local. Ao que tudo indica a bala passou ao lado do colete que vestia e atingiu-lhe um órgão vital. Só a autópsia poderá confirmar se foi morto pela Polícia ou por uma munição inadvertida disparada por si ou pelo outro assaltante. O outro suspeito foi assistido pelo INEM no local. Foi levado para o Hospital do Barreiro e depois transferido para o Hospital de Santa Maria, em Lisboa.

A PSP ainda deteve um terceiro suspeito do crime que se encontraria no local na posse de um gorro “passa montanhas”. Mas ainda se desconhece se, de facto, este homem está relacionado com o crime.

Segundo testemunhas no local à SIC, pelo menos cinco assaltantes conseguiram escapar pelo descampado sem iluminação ao centro comercial. Há mesmo quem garanta que alguns assaltantes tentaram forçar a entrada num prédio para se refugiarem, mas acabaram por fugir em direção ao Parque da Cidade que fica nas imediações. A Polícia Judiciária acredita que houvesse um outro carro envolvido no assalto e coloca a hipótese de não serem apenas sete assaltantes.

O carro apreendido pela polícia, de marca SEAT, só tinha capacidade para transportar cinco pessoas. A polícia acredita que este carro tenha sido furtado, uma vez que esta com uma ligação direta. O carro usado estava à venda no OLX e não tinha seguro.

Mais. Pela forma de atuação dos assaltantes, que usavam coletes antibala, gorros e pelas armas recuperadas — uma metralhadora, um revólver, uma pistola e uma shotguna PJ acredita estar perante “profissionais” do crime, com alguma “sofisticação”. No local foi recuperado um carrinho de compras com o dinheiro. Por se tratar de um caso de assalto a uma carrinha de valores, é a Unidade Nacional Contra Terrorismo da Polícia Judiciária que está a investigar.

Este domingo de manhã, o hipermercado Continente abriu as portas e a atividade do centro comercial manteve a atividade normal.

(Artigo atualizado às 19h15)

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)