Rádio Observador

Marte

Começou descida da sonda europeia Schiaparelli em direção a Marte

A sonda europeia Schiaparelli iniciou no domingo uma descida de três dias em direção a Marte e a sonda científico TGO que a transportou está de boa saúde.

ESA / HANDOUT/EPA

Autor
  • Agência Lusa

A sonda europeia Schiaparelli iniciou no domingo uma descida de três dias em direção a Marte e a sonda científico TGO que a transportou está de boa saúde, depois de ter dado, por um breve período, preocupações aos engenheiros.

“Tudo regressou à ordem”, declarou Jocelyne Landeau-Constantin, do Centro Europeu de Operações Espaciais (ESOC), em Darmstadt, na Alemanha, citada pela agência noticiosa francesa AFP.

Durante uma hora, os engenheiros deixaram de receber os dados telemétricos que permitiam acompanhar o estado de saúde da sonda, explicou Michel Denis, diretor de operações do voo da ExoMars 2016, o programa de exploração robótica de Marte, uma colaboração entre as agências espaciais europeia (ESA) e russa (Roscosmos).

“Não posso dizer que não estava preocupado, mas nós nunca perdemos a ligação com a sonda. E estamos treinados para situações bastante piores”, comentou.

A sonda europeia e russa TGO (Trace Gas Orbiter) deve mudar de trajetória durante a noite para se afastar de Marte, porque se não colidiria com o planeta, e entrará na quarta-feira em órbita em torno do planeta vermelho.

“A TGO está de boa saúde, resistiu bem” à separação, acrescentou Michel Denis.

Após uma viagem de sete meses para chegar a Marte, a Schiaparelli separou-se às 14:42 TMG (15:42 de Lisboa) da TGO, e tudo está a correr bem também para a Schiaparelli, que está a emitir sinal, disse Michel Denis.

Aterrar em Marte é um desafio tecnológico para a Europa, que quer provar que domina este exercício difícil.

Até agora, só os Estados Unidos conseguiram pousar no planeta vermelho engenhos que conseguiram funcionar.

Trata-se da segunda vez que a Europa tenta aterrar em solo marciano, depois de há 13 anos a sonda europeia Mars Express ter lançado uma mini-sonda Beagle 2, que nunca deu sinal de vida. Só em 2015 é que as imagens de uma sonda norte-americana permitiram constatar que a Beagle 2 tinha efetivamente aterrado, mas que os seus painéis solares não estavam todos destacados.

O grande voo da Schiaparelli é a primeira etapa da ExoMars, uma ambiciosa missão científica europeia e russa em duas partes, que visa procurar indícios de vida atual e passada em Marte.

A sonda TGO será encarregada de “cheirar” a atmosfera marciana para detetar vestígios de gases como o metano, que poderão indicar a presença de uma forma de vida presente no planeta. Começará a trabalhar no início de 2018.

Em 2020, a Europa e a Rússia enviarão para Marte um grande ‘rover’ que beneficiará da evolução tecnológica da Schiaparelli e realizará perfurações no solo para tentar encontrar vestígios de vide bacteriana passada.

Ambas com componentes ‘made in Portugal’, a TGO e a Schiaparelli, batizada em honra do astrónomo italiano do século XIX, percorreram quase 500 milhões de quilómetros desde o seu lançamento em março por um foguetão russo Proton-M a partir de Baïkonur, no Cazaquistão.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)