A organização da etapa portuguesa do circuito mundial de surf interrompeu esta quinta-feira o campeonato, após cinco baterias da segunda eliminatória, e agendou nova chamada para as 14h30, novamente na praia de Supertubos, em Peniche.

Depois de um dia de espera, o Meo Rip Curl Pro Portugal arrancou com a repescagem para a terceira eliminatória dos dois primeiros do ‘ranking’, o havaiano John John Florence e o brasileiro Gabriel Medina, frente ao ‘wild-card’ português Miguel Blanco e ao australiano Ryan Callinan, respetivamente.

Já o australiano Matt Wilkinson, vencedor das duas primeiras provas de 2016 e terceiro da hierarquia, foi derrotado pelo francês Jeremy Flores, um dos últimos do ‘ranking’, antes de a prova ser interrompida, quando faltam sete baterias para terminar a segunda eliminatória.

O australiano Julian Wilson e o brasileiro Filipe Toledo, que venceram a etapa portuguesa em 2012 e 2015, respetivamente, também venceram os seus ‘heats’, juntando-se na terceira eliminatória ao ‘wild-card’ português Frederico Morais, ao sul-africano Jordy Smith, aos norte-americanos Kelly Slater e Kolohe Andino, aos australianos Joel Parkinson, Kai Otton e Josh Kerr e aos brasileiros Jadson André, Miguel Pupo, Wiggolly Dantas, Adriano de Souza e Italo Ferreira.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

John John Florence é o único com possibilidades de conquistar o título mundial nas ondas portuguesas, necessitando de vencer o Meo Rip Curl Pro Portugal e que Medina não consiga melhor do que o nono lugar, correspondendo a uma eliminação nos quartos de final ou antes. O havaiano pode ainda chegar ao título se for finalista em Peniche, Medina não passe a terceira ronda e Smith à final.

O período de espera do Meo Rip Curl Pro Portugal prolonga-se até 29 de outubro.