Acidentalmente, um grupo de cientistas do Departamento de Energia do Laboratório Nacional de Oak Ridge, nos Estados Unidos, descobriu como transformar dióxido de carbono (CO2) em etanol, criando assim um processo direto de converter um gás poluente em combustível.

Segundo Adam Rondinone, membro da equipa de investigação responsável pela descoberta, estavam a estudar a primeira fase de uma reação química quando se aperceberam que o catalisador – substância capaz de acelerar a reação química sem alterar a composição dos seus reagentes e produtos – estava a fazer a reação por conta própria, mas com um resultado diferente.

O objetivo principal era obter outra substância química, o metanol, no entanto os resultados acabaram por ser (ainda) mais satisfatórios. A equipa fez um catalisador utilizando carvão, cobre e azoto que, quando submetido a uma tensão elétrica de 1,2V converteu uma solução de CO2 (dissolvido em água) em etanol, conseguindo um rendimento de 63%.

A equipa acabou por obter uma grande quantidade de um produto que pode ser utilizado, diretamente, como combustível. Este é um objetivo que muitos investigadores tentam alcançar há muito.

Como o catalisador é feito com materiais de baixo custo e pode ser operado à temperatura ambiente, é provável que esta tecnologia possa ser desenvolvida para, mais tarde, ser utilizada ao nível industrial.