A fabricante dos cigarros Lucky Strike, British American Tobacco (BAT), ofereceu 47 mil milhões de dólares (cerca de 43 mil milhões de euros) para comprar a totalidade da gigante Reynolds American, a norte-americana que fabrica os Camel. Se acontecer, deste negócio resultará a maior empresa do mundo de tabaco.

Num comunicado, a British American Tobacco revelou que está disposta a pagar 56,5 dólares por ação, 24,13 dólares em dinheiro mais 0,5502 acções da BAT, sendo que a empresa já era detentora de 42% do capital da Reynolds. Um representante da BAT diz ao Financial Times (edição paga) que a empresa está “orgulhosa da trajetória” e que a junção das duas companhias a “fortalecem mais no futuro”.

As donas da Lucky Strike e da Camel juntas representam cerca de um terço do mercado de tabaco nos Estados Unidos e esta fusão resultaria numa mega companhia que ultrapassaria a Philip Morris Internacional, que fabrica a marca Marlboro.

A intenção da BAT foi revelada esta quinta-feira, depois do fecho do mercado. Na carta enviada pelo CEO Nicandro Durante — e a que o FT teve acesso — é referido que “a fusão permitiria que os acionistas da companhia aproveitassem os benefícios de longo-prazo, a força e a diversificação” que dela resultariam.