As autoridades de Macau e Hong Kong içaram esta sexta-feira o sinal 8 de tempestade tropical, obrigando a parar escolas, serviços públicos e transportes, devido à aproximação do tufão Haima, que matou oito pessoas nas Filipinas.

Às 8h (1h em Lisboa), o tufão estava a cerca de 250 quilómetros a sueste de Macau, com os serviços de meteorologia a estimarem uma intensificação do vento nas próximas horas.

Com o içar do sinal 8 de tempestade tropical, numa escala até dez, escolas e serviços públicos, entre outros serviços e empresas, não abrem esta sexta-feira. Por outro lado, são encerradas as três pontes que ligam a península de Macau à ilha da Taipa, ficando apenas aberto o tabuleiro inferior de uma delas.

Desde quinta-feira à noite, foram já cancelados dezenas de voos e as ligações de barco entre Macau e Hong Kong estão suspensas.

“O Centro de Operações de Proteção Civil recomenda aos cidadãos a tomar medidas adequadas: verificar a segurança dos objetos que possam ser destruídos ou arrastados pelo vento forte, bem como permanecer em casa ou locais seguros. O tabuleiro inferior da Ponte de Sai Van é a única ligação entre Macau e Taipa durante o período de tufão n.° 8, pelo que, os cidadãos devem evitar utilizá-lo (…) a fim de ceder utilização aos veículos com necessidades ou veículos de socorro”, pediram as autoridades de Macau, num comunicado.

Segundo a mesma nota, preveem-se ainda “inundações em algumas zonas baixas” e a população deve afastar-se da costa.

Ainda em Macau, as atividades da feira internacional de negócios da cidade ficarão suspensas, pelo menos, durante a manhã.

O Observatório de Hong Kong estima que o tufão atinja a cidade, onde vivem sete milhões de pessoas, perto do meio-dia e avança que o sinal 8 de tempestade tropical deverá ficar içado durante todo o dia, sendo esperado vento e chuva fortes.

O Haima atingiu as Filipinas na quinta-feira, onde matou pelo menos oito pessoas e danificou milhares de habitações.

Nas Filipinas, os ventos chegaram aos 225 quilómetros por hora à passagem do tufão, havendo registo de rajadas de 315 quilómetros por hora.

Entre 15 e 20 tufões afetam anualmente as Filipinas durante a época das chuvas que começa, normalmente, em junho e termina em novembro.

Em novembro de 2013, o tufão Haiyan, um dos mais potentes da história a tocar terra, causou 6.300 mortos, mais de 1.000 desaparecidos e 14 milhões de afetados na região central das Filipinas.