Mary Riddell, jornalista do jornal britânico The Telegraph, acompanhou durante três meses o fundador da Microsoft, Bill Gates. Daí resultou um perfil do homem de 62 anos, que tem uma fortuna avaliada em 73 mil milhões de euros. Bill Gates não gosta de desperdiçar um minuto do seu tempo e quer mudar o mundo.

O homem que planeia o dia ao minuto e dá conferências sobre galinhas

Segundo Mary Riddell, Bill Gates pretende ajudar a alimentar os mais necessitados através de galinhas. O fundador da Microsoft deu uma conferência à frente de uma capoeira com estes animais para alertar para a sua importância no combate à fome.

Bill Gates afirma que a ideia surgiu quando, numa visita da escola, foi a uma quinta e viu uma galinha a ser morta. Achou “horrível”, contou. Quando esteve em África viu “alguém a sacrificar uma cabra”, continuou. Foi aí que se lembrou que as galinhas podiam ser muito vantajosas, uma vez que são fáceis de criar e mantêm as crianças saudáveis.

Gates quer conhecer Theresa May

Num dos encontros com a jornalista, Gates confessou o seu desejo de conhecer a primeira-ministra do Reino Unido: “Tenho esperança de conhecer Theresa May”, revelou. Bill Gates não esconde o seu gosto pelas ilhas britânicas e afirma mesmo que aquele país é o seu “melhor parceiro do mundo”.

A jornalista perguntou-lhe se o Brexit tinha influenciado essa relação. Resposta: “Em Cambridge fica o nosso [da Microsoft] centro europeu de pesquisa. Ninguém irá alterar estes planos de um dia para o outro. Eu não tenho nenhuma bola de cristal, mas não consigo deixar de elogiar o apoio que temos tido da primeira-ministra britânica”.

A vida serena de Bill Gates

A jornalista faz referência ao otimismo de Gates afirmando que o empresário e filantropo acredita na perfeição e na ideia de que o mundo está a mudar para melhor. E nem o problemas mundiais como o dos refugiados afetaram as esperanças de Bill Gates.

“Considero ter sempre tendência a ser positivo. [Mas] há três nuvens negras com que temos sempre de nos preocupar. Uma é a pandemia natural ou terrorista que uma arma biológica ou nuclear pode causar. Outra é a inteligência artificial, que temos de nos certificar que é utilizada da melhor forma. E a terceira é uma possível deterioração da democracia”, rematou.

Nas reuniões: Coca-Cola e hambúrgueres

De acordo com o diretor de gestão da Microsoft, Joe Cerrell, as viagens de Bill Gates incluem sempre “quartos de hotel com Coca-Cola zero e hambúrgueres para o almoço”. Cerrell acrescenta ainda que o fundador da Microsoft até pode ser bastante informal, mas é inflexível. “Com o Bill temos realmente de saber o que estamos a tratar. Ele pode ficar bastante irritado se começar a ver que o seu tempo está a ser desperdiçado. Ele é também muito engraçado e não tem nada de arrogante. Mas os nossos dias são muito estruturados”.