As organizações de voluntários na área da saúde querem ser vistas como “parceiros verdadeiramente estratégicos a nível superior”, uma vez que são “um contributo indispensável” na qualidade dos serviços prestados, concluiu este domingo um encontro nacional do setor.

No final do 8º Encontro Nacional do Voluntariado em Saúde, subordinado ao tema “Da Proximidade à Globalidade”, os organizadores elaboraram um conjunto de ideias que resultaram da reunião, entre as quais que é preciso “um olhar diferente, um melhor olhar” para estas organizações.

“É necessário que o voluntariado no campo da saúde seja visto como parceiro verdadeiramente estratégico a nível superior. Ele é mesmo um contributo indispensável para a realização dos objetivos das entidades e da obtenção de níveis superiores da qualidade dos serviços e cuidados que são prestados”, lê-se no documento que saiu no encontro.

Os cerca de 250 participantes concordaram que “a prática do voluntariado é um modo possível para a vivência ativa da cidadania e que, no campo da saúde, aquela tem papel insubstituível para a humanização, em regime de complementaridade”.

No documento final, as organizações declararam que “o voluntariado é um contributo inestimável na promoção do desenvolvimento pessoal, social e comunitário, com posturas de cooperação interpessoal e entre organizações”.

“As mais-valias e os ganhos para todos os stakeholders decorrentes da prática da proximidade e do encontro no âmbito do voluntariado em saúde são por demais evidentes e ineludíveis”.

Por esta razão, as organizações apelaram à “integração dos voluntários nas equipas de trabalho, com a necessária adaptação às diferentes realidades institucionais, comunitárias e de prestação de cuidados”.