A nota de Educação Física vai voltar a contar para a média de acesso ao ensino superior. O anúncio foi feito pelo secretário de Estado da Educação, João Costa, no simpósio “Aprender no século XXI”, que decorreu em Lisboa, na passada sexta-feira, e foi noticiado esta manhã pela Renascença. Contudo, ainda não é certo quando a medida entrará em vigor.

Ao Observador, o Ministério da Educação explicou que “se encontra em curso um trabalho com as associações de professores sobre a gestão do currículo” e que, no âmbito desse trabalho, se “estão a criar condições para a valorização da disciplina de Educação Física” e “uma reflexão profunda com o setor que permita sanar as questões associadas à avaliação nesta disciplina”. Mas não explicou o porquê de a nota desta disciplina voltar a contar para a média.

E só no final desta “ampla discussão sobre a gestão do currículo no seu todo” é que “qualquer alteração que eventualmente se possa produzir terá efeito”, sendo que só se aplicará aos “alunos que entrarem no décimo ano, após a publicação da legislação relevante”.

O enfoque na Educação Física não se fica pela ponderação na média do ensino secundário. O Ministério da Educação pretende ir às bases do ensino, olhando para os primeiros quatro anos.

“A expressão físico motora já faz parte do currículo do 1.º ciclo. O que se prepara é um programa de formação para capacitar os professores para a efetiva lecionação desta área do currículo”, esclareceu a mesma fonte ao Observador.

Recorde-se que a nota de Educação Física deixou de ser tida em conta no cálculo da média de acesso à faculdade em 2012/13, para os alunos que entraram para o 10.º ano. Em 2014/15 já nenhum aluno viu a sua média ser influenciada por esta nota, a menos que prosseguisse estudos superiores na área do Desporto.

Atletas satisfeitos com o anúncio

O anúncio da reversão desta medida, feito na passada sexta-feira pelo secretário de Estado da Educação, João Costa, num simpósio, foi recebido com agrado por diversas figuras do Desporto.

À margem da apresentação do “Memorando de Entendimento — Promoção da Ética Desportiva”, que visa reforçar o compromisso na luta contra a antidopagem, José Lima, coordenador do Plano Nacional de Ética no Desporto (PNED), enalteceu a importância desta medida do Governo.

“É uma excelente notícia. Esperemos que realmente se concretize, porque a Educação Física, para além da dimensão motora, transmite também um conjunto de valores educativos e é por isso que está na escola. Estes valores são fundamentais para o desenvolvimento integral da criança e do jovem, não podemos afunilar o conhecimento só para áreas como o Português ou a Matemática”, disse à Lusa o responsável.

Igualmente presente no evento, o presidente da Autoridade Antidopagem de Portugal (ADoP), Rogério Jóia, também defendeu que é “fundamental e indispensável dar à Educação Física o verdadeiro valor que ela tem”. “Penso que só poderia haver esta alteração no sentido das pessoas perceberem claramente a importância que a condição física tem não só para o atleta, mas também para o desenvolvimento da pessoa humana.”

Por fim, Nuno Delgado, ex-judoca olímpico e chefe da equipa técnica da Federação Portuguesa de Judo, assumiu sentir “muita alegria” por voltar a ver a nota da disciplina de Educação Física ser contabilizada na média de acesso às universidades.

“Fico bastante satisfeito e expectante que a este passo se sigam outros passos necessários para que consigamos potenciar verdadeiramente o desporto na formação dos cidadãos”, referiu.