Governo

Adjunto de Costa que só fez quatro cadeiras do curso demitiu-se

8.623

O adjunto de António Costa que foi dado como licenciado demitiu-se esta terça-feira. Antes de sair a notícia sobre o curso, Rui Roque apagou dados da conta de Facebook.

Rui Roque disse que era licenciado e António Costa assinou o despacho de nomeação. O adjunto demitiu-se esta terça-feira

Rui Pedro Lizardo Roque apresentou esta terça-feira a demissão de adjunto do primeiro-ministro, “que foi aceite”, informou uma fonte oficial de São Bento. O assessor, que nunca fez a licenciatura que consta no seu despacho de nomeação, apenas completou quatro cadeiras do curso de Engenharia Eletrotécnica na Faculdade de Ciência e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC). Segundo apurou o Observador, Rui Roque terá concluído apenas as cadeiras de Programação de Computadores, Física I, Estatística e Métodos Numéricos, e Desenho e Métodos Gráficos. A primeira disciplina foi feita em 1998 e a última data de 2002. Estas cadeiras são do primeiro ciclo do plano de estudos pré-Bolonha do curso de Engenharia Eletrotécnica (uma das cadeiras poderá ter sido feita em Engenharia Física, o curso em que esteve inicialmente matriculado um ano).

Estes dados sugerem que Rui Roque apresentou falsas declarações quando foi dado como licenciado a trabalhar no gabinete do primeiro-ministro (numa função que não tem como pressuposto a obrigação de ter qualquer grau académico). Da mesma forma, qualquer documento que tenha apresentado como prova de que tinha a licenciatura só pode ser considerado falso à luz das informações recolhidas pelo Observador. O antigo militante da Juventude Socialista terá mostrado a digitalização de um documento alegadamente passado pela universidade no gabinete do primeiro-ministro — que tinha inclusive uma média das suas notas –, mas não foi possível apurar se esse documento tinha o objetivo de tentar comprovar a licenciatura. Apesar da insistência do Observador, não houve ao longo desta terça-feira qualquer reação de São Bento. Também não foi possível voltar a contactar Rui Roque.

Em silêncio há mais de uma semana

O primeiro contacto feito pelo Observador com o gabinete do primeiro-ministro sobre o assunto foi na segunda-feira, dia 17 de outubro, primeiro por mensagem escrita, depois por e-mail. Seguiram-se sucessivos contactos telefónicos e também mensagens escritas, que não resultaram em nenhuma resposta formal até à saída da primeira notícia a 25 de outubro. Nesta terça-feira, 25 de outubro, voltaram a ser feitos contactos telefónicos e também por e-mail, mas que ficaram igualmente sem resposta. Até às 22h30, quando o gabinete comunicou que Rui Roque apresentou a demissão.

Nas declarações que prestou ao Observador na segunda-feira, depois de uma semana de insistência junto do gabinete do primeiro-ministro, Rui Roque disse que os dados que constam na sua nota curricular de nomeação “baseiam-se nas informações prestadas pela Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra datadas de outubro de 2009”. Ou seja, o adjunto de António Costa passou para a instituição o ónus da sua situação académica. Mais: deu a entender que ficou surpreendido com as perguntas do Observador: “Quando confrontado pelas vossas questões, eu próprio solicitei mais esclarecimentos da mesma instituição. Como ainda não obtive resposta, nada mais tenho a acrescentar.

Responsável pelas idas de António Costa ao terreno

No gabinete do primeiro-ministro Rui Roque é adjunto para os Assuntos Regionais e responsável por fazer as chamadas “preparatórias” em Portugal. A sua função é, no fundo, preparar as idas ao terreno antes das deslocações do primeiro-ministro, um trabalho similar ao que fez na campanha de António Costa nas legislativas de 2015, em que funcionou como um dos operacionais no terreno. Durante a campanha, o socialista era um dos membros da organização da comitiva que ajudava a proteger o primeiro-ministro com um cordão humano, que é habitual em arruadas e normalmente feito por elementos das “jotas”.

Três meses após as legislativas, António Costa acabou por nomear Rui Roque seu adjunto em janeiro de 2016. O socialista tem 37 anos e cresceu na Granja do Ulmeiro (concelho de Soure, distrito de Coimbra), vila onde é autarca eleito pelo PS, como membro da Assembleia de Freguesia.

Rui Roque já era da Juventude Socialista quando ocupou diversos cargos durante a sua vida académica. Foi presidente do Núcleo de Estudantes de Engenharia Eletrotécnica e de Computadores e coordenador-geral dos Núcleos e Pedagogia da Direção-Geral da Associação Académica de Coimbra.

Na segunda-feira, após ser contactado pelo Observador e antes de sair a notícia, eliminou várias fotos e referências que eram públicas no seu perfil no Facebook. Além de apagar diversas fotos e informações, Rui Roque substituiu a foto de capa da página por uma em branco. Antes, a citação de Mark Twain que o adjunto do primeiro-ministro exibia na página, poderia agora levar a interpretações pouco abonatórias:

É mais fácil enganar as pessoas do que convencê-las de que elas foram enganadas.”

Tal como o Observador já noticiou, esta questão é, para já, no entender de juristas, mais do domínio ético do que legal. Um dos especialistas contactados — que não se quis identificar por estar a comentar um caso específico — explicou que “como não é um cargo que exija licenciatura, trata-se de um problema de natureza ética e de falsidade nas declarações” e levanta a questão: “Será que alguém que mentiu, mesmo sem precisar de mentir, tem legitimidade para continuar num cargo público dessa responsabilidade?”.

O mesmo especialista diz que o mesmo caso “coloca em causa quem assinou o despacho, que também pode ter sido enganado, o que põe em xeque a relação política e de responsabilidade política”. O mesmo jurista explica que “só existirá matéria criminal se a declaração de licenciatura estiver acompanhada de um documento a comprová-la. Se não houver licenciatura e houver documento, há matéria criminal”. Ou seja: se Rui Roque apresentou qualquer documento, este terá sido falsificado e, aí, a questão passa a ser do foro criminal.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Governo

2019 no mundo e em Portugal

Inês Domingos

Vinte anos depois do calendário, passada a crise, 2019 é o ano em que política, social e economicamente entramos realmente no novo século. Este Governo está aflitivamente impreparado para o enfrentar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)