Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Um estudo global promovido por uma universidade australiana concluiu que as mulheres bebem tanto álcool como os homens, aumentando assim os riscos para a saúde. Esta investigação analisou os hábitos de consumo de quatro milhões de pessoas durante quase um século.

O estudo, publicado na revista científica BMJ Open, defende ainda que os esforços da saúde pública deveriam focar-se mais nas mulheres. Desde 1891 até 2014, o consumo deste tipo de bebidas tem vindo a aumentar no sexo feminino. No entanto, esta situação nem sempre foi assim. O estudo verificou que os homens que nasceram entre 1891 e 1910 bebiam mais que as mulheres e que por isso estavam três vezes mais suscetíveis a desenvolver doenças.

O estudo foi realizado por investigadores do Centro de Investigação Nacional de Álcool e Drogas da Universidade de New South Wales, Australia.

Segundo o The Guardian, o consumo de bebidas alcoólicas pelo sexo feminino tem aumentado por uma série de razões. A cultura de beber depois do trabalho é um dos motivos apontados, uma vez que as mulheres estão a ocupar, cada vez mais cargos importantes no mundo laboral. O estudo demonstra que em 2011 as mulheres que trabalhavam em cargos de administração e tinham carreiras profissionais bebiam mais do que uma vez durante a semana e tinham um consumo superior à média verificada no sexo feminino.

Segundo Emily Robinson, diretora de campanhas da Alcohol Concern, “desde 1950 que temos visto as mulheres a beber cada vez mais”. “Beber em casa tem aumentado uma vez que o álcool é tão barato e facilmente adquirido nos supermercados. Também vimos um esforço da indústria do álcool para comercializar produtos e marcas especificamente para mulheres” – acrescentou Emily Robinson.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O organismo das mulheres não tolera o álcool tão facilmente como o dos homens. Tem menos água, o que faz com que o álcool permaneça mais concentrado no organismo. Para além disso, o fígado das mulheres é menor do que os homens, o que torna mais difícil processar o álcool.