Coação, intimidação e campeonato inquinado. É disto que se queixa Manuel Gomes, presidente do Grijó, um dos 12 clubes que anunciaram à Associação de Futebol do Porto que faltarão a todos os jogos contra o Canelas, sendo obrigados por isso a pagar uma multa de 750 euros. O Observador ouviu ainda um elemento de uma equipa da mesma série do Canelas 2010, que refere que os árbitros têm o mesmo problema de jogadores, treinadores e dirigentes: ter família. Fernando Madureira, líder dos Super Dragões e avançado da equipa visada nesta polémica, disse ao Expresso que “o futebol não é ballet”.

Manuel Gomes, uma espécie de representante dos 12 clubes, explicou ao Observador que foram precisas três reuniões para se chegar a esta decisão: a primeira deu-se apenas com os clubes, as outras duas já envolveram a AF do Porto. A derradeira reunião, a que decidiu a falta de comparência nos jogos contra o Canelas, aconteceu precisamente na sede da Associação de Futebol do Porto, com a presença do presidente da mesma, Lourenço Pinto — o Observador tentou contactar o presidente da AF do Porto, sem sucesso.

As 12 equipas que recusam jogar contra o Canelas 2010

Mostrar Esconder

Maia Lidador, Serzedo, Valadares, Gondim Maia, Oliveira Douro, Varzim, Leça, Lavrense, Pedrouços, Rio Tinto, Grijó e Padroense

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“A direção da Associação de Futebol do Porto fez tudo para evitar o que tem acontecido: policiamento reforçado, árbitros do nacional, delegados em número bastante elevado nos jogos do Canelas. O próprio presidente foi assistir aos jogos, mas as coisas continuaram iguais”, explica o presidente do Grijó. “Os clubes decidiram, por isso, não comparecer aos jogos. Não sentimos condições para a salvaguarda da verdade desportiva. Há coação, intimidação, os árbitros não sentem coragem para escrever relatórios, para contar o que verdadeiramente se passa em campo.”

Manuel Gomes não se queixa da qualidade e seriedade dos árbitros. “Eles também não sentem segurança para apitar da forma que gostam e sabem. Porque não escrevem nos relatórios? Por serem desonestos? Por não verem? Não, é porque não podem escrever. Não têm coragem. Não está salvaguardada a verdade desportiva, nem a integridade física, mental e psicológica dos atletas.”

E continua: “O Canelas tem de refletir. Nada na vida é irreversível. Se alguém tem de mudar, é o Canelas. Não temos nada contra o Canelas, nem as pessoas. Este caso insólito vem a ocorrer de há uns anos a esta parte. Está um campeonato inquinado. Não há condições para jogar”.

Captura de ecrã 2016-10-27, às 08.27.28

Fonte: www.zerozero.pt

“Diz-se que ameaçam a família, que dizem saber onde os filhos estudam, que sabem onde os filhos andam…”

O Observador conversou com um elemento de uma equipa da mesma série do Canelas 2010, que estava muito reticente quanto a esta conversa, justificando que tem família. Pediu, por isso, que o seu testemunho fosse anónimo, ficando por mencionar até o cargo que desempenha no seu clube. “É um bocado complicado falar sobre isso, não é fácil. A única coisa que tenho contra são os árbitros da Associação de Futebol do Porto. Não têm coragem de expulsar os jogadores”, começou por dizer.

Este homem explica que prefere o anonimato por uma razão muito simples. “Eu penso nos meus filhos, as pessoas vivem à base das ameaças. É o que ouvimos em off. Não estou para levar com essas ameaças. Não tenho vida para isso. Eu oiço coisas que… nem sei explicar. Não há explicação para o que se passa dentro de campo. O que me dizem, longe da praça pública, é que se diz que ameaçam famílias, que sabem onde os filhos estudam, que sabem onde os filhos andam. Eles vão sempre tocar naquilo que é mais frágil para as pessoas. Em campo, eles fazem o jogo deles, o problema é de quem os deixa…”

Quanto à decisão dos 12 clubes em faltarem aos compromissos contra o Canelas 2010, este homem discorda totalmente da decisão. “Não faz sentido nenhum, esta decisão. Não é correto o que estão a fazer.”

Depois do tom mais áspero, vem uma fatalidade, que serve também para si. “Os árbitros têm o mesmo problema que jogadores, treinadores e dirigentes: têm família. Segundo oiço, esta situação é antiga. E depois há jogadores que contam essas histórias e que depois vão para as redes sociais defendê-los. O que mete medo é que os árbitros não façam o seu trabalho. A impunidade é que intimida. É o problema.”

Quanto à presença de vários elementos dos Super Dragões no Canelas 2010, este indivíduo diz que nada tem a ver uma coisa com a outra. “É coincidência. O tema tem sido esse. Quer queiram, quer não, o Fernando Madureira é uma figura pública, é o líder dos Super Dragões. O grande mal é esse: o Canelas não tem nada a ver com o FC Porto. O Porto é muito grande para se falar em duas ou três pessoas.”

Mas, afinal, como jogam e porque são tão temidos os homens do Canelas 2010? “A última coisa que quero é problemas na minha vida pessoal. Eles são muito agressivos. Às vezes passam os limites, eles querem ganhar. Eles são capazes de meter a cabeça onde muitos não metem o pé. Fazem tudo para ganhar a bola, não posso condenar. É mais duro, sujeitam-se a aleijar um jogador e esses no dia a seguir têm de ir trabalhar. Verbalmente é como os outros: se tiverem de insultar, insultam. É normal. Se calhar usam outras expressões que os outros não usam, falam nos familiares. Cada um reage como deve reagir.”

“Os valores estão acima da parte material e dos êxitos desportivos. Nós vamos lutar do segundo lugar para baixo”

Manuel Gomes volta a justificar a decisão: “Há coação, intimidação, claro que há agressões. Há vários vídeos. Nós o que queremos com esta posição é chamar a atenção da própria Federação Portuguesa de Futebol, que tem de olhar para o futebol distrital de uma forma diferente. A federação não pode só olhar para o futebol profissional nem só para a seleção, tem de intervir neste processo, pois a AF do Porto tomou várias medidas, que foram insuficientes…”

As associações de futebol funcionam como órgãos independentes e decidem tudo o que é relativo às suas competições, sejam episódios disciplinares, organizativos ou casos relativos a árbitros. A Federação Portuguesa de Futebol só entra em ação nas competições que lhe dizem respeito, nomeadamente os campeonatos nacionais e a Taça de Portugal. É por essa razão que, muito provavelmente, a FPF não vai entrar em ação neste caso, apesar dos apelos dos clubes da Série 1 da Divisão de Elite.

“Queremos jogar com o Canelas, mas com as mesmas regras. Nós deixamos que o Canelas seja campeão e pagamos as multas [as faltas de comparência vão traduzir-se em 48 pontos para o Canelas]. São caras. Há clubes que só vão pagar uma multa, outros duas. Isso custa muito. Andamos aqui sempre com dificuldades financeiras. Os valores estão acima da parte material e dos êxitos desportivos. O Canelas vai ser apurado por falta de aparência para a segunda fase. Nós vamos lutar do segundo lugar para baixo. O primeiro lugar está entregue ao Canelas.”

E porquê só agora a decisão? “Vem ocorrendo há vários anos. Não tem havido força suficiente para tomar esta medida. Ou não houve empenho. As coisas estão inquinadas. Queremos retificar. É uma medida muito forte. As coisas permaneceram iguais [após as primeiras reuniões], por isso tomámos a decisão drástica. Os atletas recusam-se a jogar, e nós quase que os obrigamos a jogar. Depois não disputam qualquer lance, e isso tem sido visível nos jogos contra o Canelas. Não queremos excluir o Canelas, queremos integrá-los. Não queremos que eles deixem de jogar futebol. Queremos que respeitem as regras, tudo igual para todos.”

Macaco: “O futebol é isso mesmo, não é ballet ou natação”

O líder dos Super Dragões e camisola 9 do Canelas 2010 reagiu durante a tarde de quinta-feira à notícia veiculada primeiramente pelo Jornal de Notícias. Fernando Madureira, também conhecido por “Macaco”, admitiu ao Expresso a impetuosidade da sua equipa. “Admito que temos uma maneira de jogar mais viril, mais empenhada. O futebol é isso mesmo, não é ballet ou natação, modalidade onde não há contactos. Ganhamos mais vezes porque somos melhores do que os rivais, por isso subimos ao Campeonato de Elite.”

De que se queixam então as 12 equipas que preferem pagar uma multa pesada e perder os três pontos na secretaria? “São manobras de diversão, desculpas de maus perdedores que não conseguem ganhar dentro do campo e querem atirar areia para os olhos dos adeptos. É uma campanha de desestabilização difamatória de presidentes de clubes que têm orçamentos astronómicos, ao contrário do nosso, que é baixo, pois quem joga no Canelas dá tudo. Jogámos sempre com muita garra, muita alma…”