O Presidente colombiano, Juan Manuel Santos, adiou esta quinta-feira a viagem ao Equador da equipa de negociação de paz com o Exército de Libertação Nacional, enquanto aguarda que a guerrilha liberte o antigo congressista Odín Sánchez Montes de Oca.

Quero anunciar ao país que dei instruções para a equipa que está a negociar com o ELN [Exército de Libertação Nacional] suspenda a viagem para a cidade de Quito [Equador] “, disse Juan Manuel Santos.

Juan Manuel Santos falava ladeado pelo Presidente do México, Enrique Pena Nieto, que está a realizar uma visita de Estado à Colômbia, para reforçar as relações bilaterais e participar na XXV Cimeira Ibero-americana, que decorre na sexta-feira e no sábado.

O início das negociações entre o Governo colombiano e o ELN deveria começar esta quinta-feira, às 17h00 locais (23h00 em Lisboa).

No entanto, o chefe de Estado precisou que as negociações são adiadas até à libertação, “são e salvo”, do antigo congressista.

Odín Sánchez Montes de Oca está cativo há seis meses, quando se entregou em troca da libertação do seu irmão, antigo governador de Chocó.

O irmão tinha sido sequestrado em 2013, pelo ELN, a segunda guerrilha colombiana depois das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC).

O ELN assegurou esta quinta-feira que cumpriu o acordado com o Governo da Colômbia para o início das negociações de paz.

Tudo o que foi acordado foi cumprido”, afirmou a guerrilha na sua conta no Twitter.

Entretanto, o chefe da equipa de negociações de paz do Governo anunciou que está em curso uma operação na Colômbia para libertar reféns do ELN.