Banda Desenhada

Amadora BD anuncia finalistas dos Prémios Nacionais de Banda Desenhada

"As Aventuras de Fernando Pessoa", "Kong the King", "O Poema Morre", "Tudo Isto é Fado" e "Os Vampiros" são os nomeados para melhor álbum português de Banda Desenhada.

LUSA

“As Aventuras de Fernando Pessoa”, “Kong the King”, “O Poema Morre”, “Tudo Isto é Fado” e “Os Vampiros” são os nomeados para melhor álbum português de Banda Desenhada, a anunciar este sábado, no âmbito do AmadoraBD, segundo a organização.

Miguel Moreira e Catarina Verdier são os autores de “As Aventuras de Fernando Pessoa”, que aborda os heterónimos do escritor, Osvaldo Medina assina “Kong The King”, inspirada na personagem cinematográfica, enquanto Nuno Saraiva concebeu “Tudo Isto É Fado!”, homenagem a intérpretes e lugares do fado.

Filipe Melo e Juan Cavia, os criadores de Dog Mendonça e Pizzaboy, juntaram-se de novo para fazer “Os Vampiros”, BD que evoca a Guerra Colonial na Guiné-Bissau, e David Soares e Sónia Oliveira abordam a guerra em “O Poema Morre”.

As diferentes categorias dos Prémios Nacionais de Banda Desenhada contemplam ainda melhor argumento, melhor desenho, melhor álbum de autor português e de autor estrangeiro, melhor desenhador português e estrangeiro, de livro de ilustração, melhor álbum de tiras humorísticas e melhor fanzine.

O Festival Internacional de Banda Desenhada da Amadora, Amadora BD, tem lugar desde 1990 e a 27.ª edição teve início no passado dia 14 e realiza-se até 06 de novembro. O concurso, patrocinado pela autarquia, tem por objetivo distinguir os melhores trabalhos realizados ao longo do ano.

O festival da Amadora é o principal do género em Portugal e um dos mais importantes a nível europeu, de acordo com a organização. Destina-se a promover a banda desenhada e as artes que lhe são próximas, como o cartoon, a ilustração ou o cinema de animação. É a seguinte a lista completa de nomeados:

Melhor álbum português

“As Aventuras de Fernando Pessoa”, de Miguel Moreira e Catarina Verdier, ed. Parceria AM Pereira.

“Kong The King”, de Osvaldo Medina, ed. Kingpin Books.

“O Poema Morre”, de David Soares e Sónia Oliveira, ed. Kingpin Books.

“Tudo Isto É Fado!”, de Nuno Saraiva, ed. EGEAC e Museu do Fado.

“Os Vampiros”, de Filipe Melo e Juan Cavia, ed. Tinta da China.

Melhor argumento para álbum português

André Oliveira, “Vil — A Tragédia de Diogo Alves”, ed. Kingpin Books.

David Soares, “O Poema Morre”, ed. Kingpin Books.

Filipe Melo, “Os Vampiros”, ed. Tinta da China.

Francisco Sousa Lobo, “O Cuidado dos Pássaros”, ed. Chili Com Carne.

Mário Freitas em “Fósseis das Almas Belas”, ed. Kingpin Books.

Osvaldo Medina, “Kong The King”, ed. Kingpin Books.

Melhor desenho para álbum português

Carlos Pedro, “Salomão”, ed. Kingpin Books.

João Sequeira, “Tormenta”, ed. Polvo.

Luis Louro, “Jim Del Monaco — O Cemitério dos Elefantes”, Edições Asa.

Osvaldo Medina, “Kong The King”, ed. Kingpin Books.

Sónia Oliveira, “O Poema Morre”, ed. Kingpin Books.

Xico Santos, “Vil — A Tragédia de Diogo Alves”, ed. Kingpin Books.

Melhor álbum de autor português em Língua Estrangeira

André Lima Araújo, “Inhuman”, ed. Marvel.

Filipe Andrade, “Rocket Raccon”, ed. Marvel.

Jorge Coelho, “Sleepy Hollow”, ed. Boom!.

Miguel Mendonça, “The Little Mermaid”, ed. Zenescope.

Miguel Mendonça, “Side Kicked”, ed. Magnetic Press.

Melhor álbum de autor estrangeiro

“Eu, Assassino”, de Antonio Altarriba e Keko, ed. Geomais/Arte de Autor.

“Fatale”, de Ed Brubaker e Sean Phillips, ed. G.Floy.

“Presas Fáceis”, de Miguelanxo Prado, ed. Levoir.

“O Pugilista”, de Reinhard Kleist, ed. Polvo.

“Talco De Vidro”, de Marcello Quintanilha, ed. Polvo.

Melhor álbum de tiras humorísticas

“Não Gritem Baby 33”, de Rick Kirkman, e Jerry Scott, ed. Bizâncio.

“Psicopatos Vol.II”, de Miguel Montenegro, ed. Arcádia.

“Seu Nome Próprio, Maria” Seu Apelido, Lisboa!”, de Henrique Magalhães, ed. Polvo.

Melhor desenhador português de livro de ilustração

Joana Estrela, “Mana”, ed. Planeta Tangerina.

José Cardoso, “Barafunda”, ed. Caminho.

Madalena Matoso, “O Dicionário do Menino Andersen”, ed. Planeta Tangerina.

Marco Taylor, “Abílio”, edição de autor.

Susana Monteiro, “Beja, a minha cidade”, ed. Pato Lógico.

Teresa Cortez, “Balbúrdia”, ed. Pato Lógico.

Melhor desenhador estrangeiro de livro de ilustração

Ana Pez, “O Meu Irmão Invisível”, ed. Orfeu Negro.

Beatrix Potter, “Contos Completos”, Pin Edições.

Christoph Niemann, “O Rei Batata”, ed. Verbo.

Cristina Sitla Rubio, “Estranhas Criaturas”, ed. Orfeu Negro.

Kirsten Sims, “Baltasar, O Grande, ed. Orfeu Negro.

Marcus Oakley, “Edimburgo, a minha cidade”, ed. Pato Lógico.

Prémios Clássicos da 9.ª arte

“Os Doze de Inglaterra”, de Eduardo Teixeira Coelho, ed. Gradiva.

“A História de Um Rato Mau”, de Bryan Talbot, ed. Levoir.

“Kate” (série Jonathan), de Cosey, Edições Asa.

“O Quarto Mundo”, de Jack Kirby e AA.VV, ed. Levoir.

“Revisão — Bandas Desenhadas dos Anos 70”, coletânea de autores, ed. Chili Com Carne.

“V de Vingança”, de Alan Moore e David Lloyd, ed. Levoir.

“Watchmen”, de Alan Moore, ed. Levoir.

Melhor Fanzine

“Cinzas”.

“O Dia em que… / Comic Jam” da Tertúlia de BD de Lisboa.

“H-Alt” da Comic Heart.

“Feira Do Livro” de Alexandre Esgaio.

“Quireward”.

“Shock” da El Pepe.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)