Cuidados Continuados

Hospital Pulido Valente vai ter 44 novas camas de cuidados continuados

O Hospital Pulido Valente, em Lisboa, vai ter 44 novas camas de cuidados continuados, um projeto em parceria com a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa.

O ministro da Saúde reconhece que Lisboa e Vale do Tejo é a região mais carenciada na área dos cuidados continuados

O Hospital Pulido Valente, em Lisboa, vai ter 44 novas camas de cuidados continuados, um projeto em parceria com a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, de acordo com o protocolo esta quarta-feira assinado.

O ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, reconhece que Lisboa e Vale do Tejo é a região mais carenciada na área dos cuidados continuados e espera chegar ao fim da legislatura com 80% das necessidades de camas já satisfeitas.

As necessidades de Lisboa e Vale do Tejo estão estimadas em 2.300 camas. Com este passo apenas nos aproximamos das 1.400. É de facto uma zona muito carenciada, o que tem depois repercussão nos índices de procura dos hospitais e na demora média”, afirmou o ministro aos jornalistas no final da assinatura do protocolo entre o Ministério da Saúde e a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa para a instalação da unidade de cuidados continuados.

Numa primeira fase, o Pulido Valente terá 44 camas de cuidados continuados, mas numa fase posterior pode chegar às 80, que integrarão a Rede Nacional dos Cuidados Continuados.

Também numa parceria com a Santa Casa, o antigo Hospital Militar da Estrela vai ter em funcionamento mais de 80 camas de cuidados continuados.

As obras para a instalação das novas camas de cuidados continuados no Pulido Valente vão ficar a cargo da Santa Casa e têm um custo estimado de 3,5 milhões de euros, segundo o provedor Pedro Santana Lopes, que adianta que esse investimento será depois contabilizado na redução da renda que deve ser paga ao Centro Hospitalar de Lisboa Norte.

As camas de cuidados continuados serão uma das valências do Parque de Saúde Pulido Valente — o segundo parque de saúde de Lisboa –, que terá também duas novas unidades de saúde familiar, bem como mais consultas de especialidade e acréscimo de meios complementares de diagnóstico.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eutanásia

Eutanásia – o fracasso da Humanidade

Raquel Abreu
3.836

Há 20 anos estive ligada a máquinas a receber morfina por ter dores horríveis. Não desisti. A dor resolveu-se e passei 5 anos entre uma cadeira de rodas e canadianas. E se tivessem desistido de mim?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)