Dada a conhecer em 2013, a actual geração do Ford Mustang acaba de desvendar em Las Vegas, no SEMA (Special Equipment Market Association), uma das suas mais desportivas versões para a competição – o GT4, que deverá estar disponível para a temporada de FIA GT4 de 2017.

Rival nesta competição de modelos como o Aston Martin Vantage, BMW M4, Chevrolet Camaro, Porsche Cayman e McLaren 570S, o Mustang GT4 conta com uma série de alterações aerodinâmicas face ao modelo que lhe serve de base, como é o caso da grelha e do pára-choques redesenhados e, principalmente, de uma generosa asa traseira. Isto além de várias alterações no interior, a começar na adopção de uma gaiola de segurança, um banco de competição Sparco, um volante redesenhado e revestido a alcântara, um novo painel de instrumentos digital e painéis das portas em materiais ultraleves.

O Ford Mustang GT4 utiliza o mesmo motor do Shelby GT350 que alinha no IMSA, um V8 5,2 litros naturalmente aspirado que, no modelo já em utilização, debita qualquer coisa como 526 cv de potência e 582 Nm de binário. No Mustang, à partida, deverá oferecer um pouco menos, embora tal dependa, segundo as últimas informações, daquele que vier a ser o peso total do veículo.

Como transmissão, a nova geração GT4 conta com uma caixa automática Holinger de seis velocidades com patilhas no volante, a que se juntam ainda alterações no chassis levadas a cabo pela Multimatic Motorsports, nomeadamente amortecedores, braços de suspensão traseiros e barras estabilizadoras.

Ainda sem preços anunciados, é expectável que o novo Ford Mustang GT4 venha a custar mais que o Shelby GT350R standard, ou seja, acima dos 90 mil euros, à cotação actual.

Recorde-se que a actual geração do Ford Mustang, a sexta deste modelo, representou um salto em termos evolutivos, ao tornar-se na primeira a não só adoptar suspensão independente atrás, como também e ainda mais importante, um motor quatro cilindros turbo.