O secretário-geral do PS, António Costa, defendeu hoje que os socialistas devem aplicar como princípio a regra da recandidatura dos presidentes de câmaras aos seus cargos nas próximas eleições autárquicas, caso reúnam as condições legais para tal.

Esta posição, de acordo com fontes socialistas, foi assumida por António Costa na sua intervenção na reunião da Comissão Nacional do PS, depois de o Secretariado Nacional do seu partido (o órgão de direção) já se ter pronunciado nesse mesmo sentido no mês passado.

Ao vincar a aplicação do princípio da recandidatura dos atuais presidentes de câmaras ou de juntas de freguesia nas eleições autárquicas do próximo ano, António Costa e a direção dos socialistas pretendem impedir que se registem em concelhias ou em seções partidárias tentativas de derrube por “golpe de aparelho” aos autarcas que se encontram em funções.

Perante a Comissão Nacional do PS, também segundo fontes socialistas deste órgão nacional, António Costa não traçou um retrato otimista sobre o quadro de relações entre os Estados-membros da União Europeia.

O secretário-geral do PS disse que, ao contrário do que determinadas correntes chegaram a prever, o ‘Brexit’, com a consequente saída do Reino Unido da União Europeia, não serviu para aproximar os Estados-membros.

António Costa considerou mesmo que se assiste a um aprofundamento das divergências entre países do leste e do oeste da União Europeia.