O verniz só estalou no domingo, após a partida que opôs as duas equipas em Alvalade, mas a relação hostil entre Sporting e Arouca remonta já ao inicio da época passada. Tal como foi tornado público por Nuno Gestas, vogal do Conselho Diretivo do Sporting, as relações entre as duas instituições desportivas azedaram quando no ano passado Iuri Medeiros, jogador do Sporting, foi emprestado ao Moreirense em vez de rumar até Arouca. Em declarações à Antena 1 e segundo A Bola, Jaime Marta Soares sai agora, também em defesa do presidente dos “leões”.

“Ponho as mãos no fogo por Bruno de Carvalho. Não é um homem perfeito, é um jovem irreverente e polémico mas de convicções sérias e com honestidade naquilo que faz. Tenho para mim que teve a atitude certa no momento certo, não agiu no sentido de lançar fogo numa fogueira que não acendeu. Não acredito que tivesse tomado qualquer atitude para agredir o presidente do Arouca”.

Referindo-se concretamente aos incidente, ou o que terá sido rastilho para a situação, o presidente da Assembleia Geral do Sporting relembra que quando surgiu a hipótese de jogadores do Sporting, nomeadamente Iuri Medeiros, ingressarem na equipa de Arouca na época passada, Carlos Pinho, presidente do Arouca juntamente com o seu filho, Joel Pinho, tiveram comportamentos bastante desagradáveis.

“Pressionava-me duas a três vezes por dia, quase a querer impor a sua vontade ao Sporting. Dizia-me que Bruno de Carvalho era um homem sem honra nem dignidade, que era um garoto.”

Jaime Marta Soares, conta ainda que tem recebido telefonemas de pessoas ligadas ao futebol que estão disponíveis para contar os momentos desagradáveis que Carlos Pinho protagonizou noutros campos.