O presidente do BCP, Nuno Amado, escusou-se esta quarta-feira a comentar a polémica sobre a entrega das declarações de rendimentos e património dos novos administradores da CGD, apelando a uma maior discrição e estabilidade no setor bancário.

Preocupado com o braço-de-ferro? Eu não vou comentar a Caixa. A única coisa que eu comento é que, pelos motivos que todos entendemos, a banca esteja menos nos media, esteja o mais ‘low profile’ possível e o mais discreta possível”, afirmou Nuno Amado, durante a conferência de imprensa de divulgação das contas do BCP nos primeiros nove meses do ano.

Nuno Amado vincou que “tudo o que seja caminhar para a normalização” lhe “parece bem“.”Sobre a CGD não farei qualquer comentário”, vincou, assinalando apenas que a Caixa Geral de Depósitos (CGD) “é um banco público de referência”.

E rematou: “[A CGD] é o maior banco português público. Nós gostaríamos de ser o maior banco português privado. Quanto mais discrição e mais estabilidade, melhor“. O Tribunal Constitucional notificou esta quarta-feira os membros da administração da CGD para que entreguem as declarações de rendimentos, disse à Lusa fonte oficial do Palácio Ratton.