O líder da minoria democrata no Senado dos EUA, Harry Reid, exigiu que Donald Trump despeça o assessor Stephen Bannon caso queira “a unidade” do país. E pediu ao Presidente eleito que “deixe de se esconder atrás da conta no Twitter”.

“Se Trump procura a unidade a sério, a primeira coisa que tem de fazer é rescindir a nomeação de Steve Bannon”, afirmou Reid, ao discursar no Senado, aludindo aos vínculos supremacistas (defensor da supremacia da raça branca) do novo assessor do magnata.

Reid, que se vai retirar do cargo em janeiro, quando começar a nova sessão do Congresso, interpelou diretamente Trump: “Assuma as suas responsabilidades, a dignidade do cargo. Deixe de se esconder atarás da sua conta no Twitter”.

O senador democrata enumerou várias histórias de cidadãos norte-americanos que sofreram casos de assédio ou humilhação desde o triunfo nas eleições do passado dia 8 do multimilionário, que realizou uma campanha baseada na retórica do ódio dirigido às minorias.

“Temos a responsabilidade de dizer que não é normal que o KKK, o Ku Klux Klan, celebre a eleição de um presidente que veem como o seu campeão com um desfile de vitória”, asseverou o influente legislador democrata, vincando: “temos a responsabilidade de ser a voz de milhões de norte-americanos sentados em casa receosos de já não serem bem-vindos aos Estados Unidos de Donald Trump”.