Várias dezenas de técnicos de diagnóstico e terapêutica estão concentrados junto ao Ministério da Saúde, em Lisboa, num protesto contra a desatualização da carreira.

Estes profissionais iniciaram hoje uma greve por tempo indeterminado, que segundo o Sindicato Nacional dos Técnicos Superiores de Saúde das Áreas de Diagnóstico e Terapêutica regista uma adesão superior a 80%.

Em declarações aos jornalistas no início do protesto, o presidente do sindicato, Almerindo Rego, mostrou-se esperançoso de que ainda esta quarta-feira possa ser encontrada uma solução com o Ministério da Saúde.

A concentração junto ao Ministério da Saúde começou cerca das 15h00, com várias dezenas de profissionais a manifestarem-se de forma ruidosa, empunhando cartazes a pedir “justiça na saúde já” ou “carreira digna, sim“.

A deputada do PCP Carla Cruz juntou-se aos profissionais em protesto, manifestando a solidariedade do partido com uma causa que considera justa e que se prolonga há vários anos.

Os técnicos de diagnóstico e terapêutica iniciaram esta quarta-feira uma greve por tempo indeterminado, contra a desatualização da carreira e o impasse das negociações com o Ministério da Saúde.

Almerindo Rego considera que o Governo tem todas as condições para terminar esta quarta-feira mesmo com a greve decretada por estes profissionais, fazendo publicar de imediato o estatuto de carreira e aplicando os referenciais salariais já legislados.

O sindicato diz aceitar que as questões salariais produzam efeito só a partir de janeiro de 2018.

Os profissionais protestam contra a desatualização da carreira, “sendo atualmente o único grupo de licenciados do Serviço Nacional de Saúde (SNS) que não tem uma carreira compatível com o seu nível de qualificação“, e dizem que o Ministério da Saúde quer recomeçar do início um processo de revisão de carreira que começou em 2014.

A área de trabalho abrange 22 profissões, três delas por regulamentar, em áreas como análises clínicas, radiologia, fisioterapia, farmácia ou cardiopneumologia, num total de cerca de dez mil profissionais.

A greve foi anunciada no início deste mês, quando o sindicato avisou que só a suspenderia com a conclusão do processo negocial com o Governo.