Rádio Observador

França

Sarkozy fora das eleições presidenciais francesas e diz adeus à política

Regresso à política do ex-Presidente francês pode ser de muito curta duração. Com mais de metade dos votos contados, 'Sarko' nem sequer está em lugar para ir à segunda volta nas primárias.

AFP/Getty Images

Autores
  • Miguel Santos Carrapatoso
  • Nuno André Martins
Mais sobre

Os franceses começaram a escolher este domingo o candidato de centro-direita a disputar as presidenciais do próximo ano. A principal surpresa da noite eleitoral francesa veio de onde menos se esperava: Nicolas Sarkozy: o ex-Presidente francês, não conseguiu sequer assegurar uma vaga para segunda volta. Com este resultado, “Sarko” reconheceu a derrota e despediu-se da vida política.

O vencedor desta primeira volta das primárias da coligação de direita e centro-direita acabou por ser François Fillon, precisamente o antigo primeiro-ministro de Nicolas Sarkozy. Alain Juppé, o ex-primeiro-ministro que foi durante meses o favorito a vencer as primárias do centro-direita e que soma, aos 71 anos, uma reputação invejável entre os eleitores de centro-direita, ficou em segundo lugar e passa a próxima volta das primárias.

Com 9291 de assembleias de voto contadas, num total de 10229, François Fillon soma já 44,2% dos votos. A aposta numa campanha centrada em assuntos críticos para França, especialmente nos últimos dois anos, como a imigração e o terrorismo, parece estar a dar resultado. Alain Juppé, por sua vez, soma até ao momento 28,4% dos votos. Sarkozy ficou em terceiro, com apenas 20,7% dos votos.

O ex-Presidente Francês foi lesto em conceder a derrota e deu, desde logo, o seu apoio a François Fillon para a segunda volta das primárias.

De acordo com as mais recentes sondagens, será a direita a assumir novamente o poder nas próximas eleições, fruto da pouca popularidade dos socialistas depois da governação de François Hollande. A questão nesta altura é que tipo de direita assumirá o poder em França: o UMP de Fillon, Juppe e Sarkozy ou a Frente Nacional de Marine Le Pen? As mais recentes sondagens nacionais dão a vitória a Marine Le Pen.

Sarkozy reconhece derrota e promete apoio a Fillon

O ex-Presidente francês, o grande derrotado da noite eleitoral francesa, reconheceu a derrota, admitindo que votará em François Fillon na segunda volta das primárias, e aproveitou o momento para se despedir da vida política.

“Gostaria de felicitar Fraçois Fillon e Alain Juppé. São duas personalidades de grande qualidade, que honram a direita francesa. Apesar de algumas divergências (…), as minhas escolhas políticas estão mais próximas das de de François Fillon. Votarei em Fillon na segunda volta das primárias”, assegurou o Sarkozy.

“Não tenho qualquer sentimento amargo, nem de tristeza. Desejo melhor para o meu país e para aquele que terá de liderar este país. A direita deu uma boa imagem, estou feliz por ter participado nesta luta. Adeus a todos”, despediu-se o ex-Presidente francês.

Alain Juppé promete lutar na segunda volta

O segundo candidato mais votado nesta primeira volta das primárias da coligação de direita e centro-direita, Alain Juppé, garantiu que vai “continuar a lutar” por “todos aqueles” que acreditaram na sua campanha.

“Acredito que, mais do que nunca, os franceses precisam de se unir para virar a página desastrosa dos últimos cinco anos e para bloquear a Frente Nacional. Quero unir os franceses à volta de reformas credíveis. Quero implementar reformas justas de que todos os franceses vão beneficiar”, reiterou Juppé.

Apesar da intenção de Juppé, o grande favorito para ocupar a vaga de candidato da coligação desenhada entre Os Republicanos e o Partido Cristão-Democrático parece ser mesmo François Fillon. O ex-primeiro-ministro de Sarkozy já reagiu à vitória nesta primeira volta das primárias e prometeu representar uma “nova esperança” para os franceses.

“Sou o escolhido por aqueles que querem fortalecer França. Essa esperança vem de um povo, livre de pensamento. É preciso romper com este período de cinco anos de falhanços. O meu projeto trará uma nova esperança. Trago comigo os eleitores da direita e do centro que querem a vitória dos seus valores”, afirmou Fillon.

*Artigo atualizado às 23h50 com os últimos resultados eleitorais

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)