A força de manutenção da paz da ONU na República Centro-Africana (MINUSCA) disse esta terça-feira que uma das suas bases ficou sob fogo durante confrontos entre grupos rebeldes rivais, levando as suas tropas a responder.

A violência estalou na segunda-feira entre fações rivais Seleka, de maioria muçulmana, na cidade de Bria, a 400 quilómetros a nordeste de Bangui, indicou, em comunicado, a MINUSCA, composta por cerca de 12 mil homens.

“A base da MINUSCA foi alvo de alguns elementos da FPRC antes de serem elevados a deixar a área devido a fogo de retaliação”, indicou a força da ONU.

A FPRC (Frente Patriótica para o Renascimento da República Centro-Africana), de Noureddine Adam, é um grupo armado que surgiu da ex-coligação rebelde Seleka.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A outra fação ex-Seleka envolvida nos confrontos de segunda-feira foi a União para a Paz na República Centro-Africana (UPC), grupo liderado por Ali Ndarass, segundo a MINUSCA.

O comunicado refere que os dois grupos rivais serão “responsabilizados pela violência, em particular contra civis”, sem facultar, porém, dados sobre eventuais mortes ou feridos.

Cerca de 12.500 efetivos da ONU foram colocados no país, um dos mais pobres do mundo, na sequência de violência sectária que eclodiu em março de 2013, depois do afastamento do Presidente François Bozize, um cristão, pela aliança rebelde Seleka.

A França, antiga potência colonial, proclamou oficialmente no mês passado, em Bangui, o fim da operação militar francesa Sangaris, lançada na República Centro-Africana em dezembro de 2013.