Guiné-Bissau

Guiné-Bissau promove feira agrícola e recorda história da escravatura

Cacheu vai acolher na sexta-feira e sábado uma feira agrícola e recordar a história da escravatura, numa iniciativa apoiada pela União Europeia e cujo programa foi divulgado esta quinta-feira.

A feira arranca na sexta-feira com animação de dois grupos de teatro sobre alimentação saudável

Ana Freitas/LUSA

Cacheu, a cerca de 100 quilómetros a norte de Bissau, vai acolher na sexta-feira e sábado uma feira agrícola e recordar a história da escravatura, numa iniciativa apoiada pela União Europeia e cujo programa foi divulgado esta quinta-feira.

O título do certame, em crioulo, pretende ilustrar a importância da agricultura: “produto di no tchon i firkidja di no bida”, ou seja, os produtos da terra são os alicerces da nossa vida.

A feira arranca na sexta-feira com animação de dois grupos de teatro sobre alimentação saudável.

Num país em que a maioria da população não sabe ler nem escrever, as artes cénicas servem como forma de sensibilização para uma alimentação saudável e controlo nutricional das crianças e mulheres grávidas com produtos locais.

No sábado, a partir das 10h30, inicia-se uma sessão de degustação dos diferentes produtos transformados localmente, produzidos pelas organizações convidadas da feira.

A iniciativa é coordenada pela federação de agricultores KAFO, pela organização não-governamental Essor e tem financiamento da União Europeia.

Paralelamente terá lugar a quinta edição do Festival Cultural de Cacheu, do qual se destaca uma conferência sobre história da escravatura e tráfico negreiro, a origem da Tina (género musical guineense) e a importância do pano de pente (tecido tradicional).

A conferência dará uma atenção particular às potencialidades de Cacheu como ponto de turismo histórico e cultural e também vai debater qual a melhor estratégia de integração da temática da escravatura no currículo escolar na Guiné-Bissau.

Durante o festival, haverá ainda uma visita às obras em construção dos blocos B e C do Memorial da Escravatura e do Tráfico.

O edifício central foi inaugurado a 08 de julho e inclui um pavilhão multiusos, salas de formação, residência para investigadores e um museu que preserva alguns artefactos que marcavam o dia-a-dia dos escravos.

O programa desta sexta-feira e sábado e Cacheu inclui também música ao vivo, teatro e projeção de um filme sobre as edições anteriores do festival de Cacheu.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)