O homem que invadiu uma casa de repouso para monges em França e fez um morto e um ferido já foi identificado mas continua em fuga. O Le Fígaro conta que o suspeito tem 45 anos e mora perto do retiro, em Monferrier-sur-Lez. A caça ao homem envolve 130 polícias, auxiliados por um helicóptero. As autoridades encontraram um carro, perto do mosteiro, com uma arma falsa lá dentro.

De acordo com declarações do procurador francês Christophe Barret, citado pelo Le Fígaro, os motivos que levaram o suspeito a fazer o ataque ainda são desconhecidos, mas, apesar de ser perigoso, o homem não tem nenhuma ligação com o Estado Islâmico.

O suspeito estava armado com uma faca e uma espingarda de canos serrados quando invadiu a casa de repouso, por volta das 23h locais (menos uma hora em Lisboa). Esfaqueou mortalmente a porteira do edifício e amordaçou ainda a mulher que deu o alerta da ocorrência às autoridades. Esta acabou por sair ilesa do ataque.

Os monges missionários que viviam no centro de retiro, localizado no sul de França, foram retirados do local em segurança.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O retiro em causa pertence à Sociedade das Missões Africanas, uma congregação missionária fundada em 1856, que participa em missões em vários países africanos, como Gana, Costa do Marfim, Quénia ou Zâmbia. Tem ainda uma forte presença na Europa, em países como França, Espanha ou Itália, e nos Estados Unidos.

De acordo com a AFP, a idade média dos habitantes é significativa, perto de 75 anos, e alguns têm mais de 90 anos. O edifício tem cerca de trinta quartos em cada andar.

Captura de ecrã 2016-11-24, às 23.08.09