Os migrantes do campo de refugiados de Moria, em Lesbos, Grécia, incendiaram nesta sexta-feira o local depois da morte de uma mulher e do filho na sequência de uma explosão de uma bilha de gás na sua tenda.

Informações iniciais avançadas pela agência noticiosa francesa AFP davam conta apenas da morte da mulher, carbonizada, e que três crianças teriam ficado gravemente feridas.

Segundo notícias mais recentes da AFP, para além da morte da mulher e do seu filho, registaram-se ainda ferimentos graves em outras três crianças, que se encontravam igualmente na tenda, onde a mulher que morreu carbonizada se encontrava a cozinhar.

A Associated Press (AP), no entanto, diz que os feridos são apenas dois e que apenas um deles seria uma criança. As duas pessoas foram, segundo a AP, hospitalizadas com queimaduras graves.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Na sequência desse incidente, ocorrido na madrugada de quinta para esta sexta-feira no campo de refugiados na ilha grega de Lesbos, os migrantes incendiaram o local, provocando danos consideráveis.

Os bombeiros chegaram rapidamente ao local para controlar o incêndio.

Segundo a AP, os migrantes entraram em confronto com a polícia durante a evacuação do campo.

Os incidentes têm sido recorrentes nos últimos meses nos campos de refugiados nas ilhas gregas, onde se aglomeram cerca de 16.000 migrantes, ainda que a capacidade dos campos seja de 7.500 lugares, refere a AFP.

Incidentes graves ocorreram em Moria em setembro, quando uma parte do campo foi destruída por fogo posto que levou os seus 5.000 ocupantes a fugir durante a noite e que apenas regressaram dias depois.

Na passada sexta-feira um cidadão sírio foi ferido na cabeça por uma pedra arremessada por um desconhecido, na ilha de Chios, onde durante três dias os incidentes se sucederam entre refugiados e residentes.

A polícia deteve pelo menos três migrantes.