O ministro da Defesa disse, esta sexta-feira, estar “para breve” a conclusão do inquérito do Exército ao modelo dos cursos de comandos, para avaliar a necessidade de corrigir as novas formações, que foram suspensas depois da morte de dois militares.

“Temos de aguardar pela divulgação do relatório [sobre o modelo de formação dos cursos de comandos]. Depois veremos o que há para corrigir. Mas estamos a falar de um breve prazo para encontrar uma definição sobre esse assunto”, afirmou Azeredo Lopes no Porto, em declarações aos jornalistas à margem de uma conferência sobre a adesão de Portugal à União Europeia.

Quanto ao 127.º curso de Comandos, que ficou marcado pela morte de dois militares e termina, esta sexta-feira, com 23 dos 67 formandos iniciais, o ministro observa que os números podem “porventura, ser explicados pela enorme pressão mediática que resultou da tragédia de 4 de setembro”.