Tudo aponta para que a Tesla esteja prestes a lançar na Alemanha uma versão mais acessível do Model S, de forma a tirar partido das ajudas públicas oferecidas pelo Governo de Angela Merkel a quem adquirir um automóvel híbrido ou eléctrico. Estes incentivos são de 3.000€ no primeiro caso e de 4.000€ no segundo, mas estão sujeitos a uma condição: que o preço do veículo, antes de impostos, não supere os 60.000€, de modo a deixar de fora algumas propostas mais “exóticas”.

Esta limitação do mercado alemão terá sido encarada pelos responsáveis da marca californiana como uma forma de tentar impedir que a Tesla seja um concorrente de peso no segmento dos automóveis eléctricos na Alemanha, deixando assim o caminho livre para os fabricantes locais – todos eles prometendo substantivas novidades neste domínio para os tempos mais próximos. Isto porque todas as versões do Model S actualmente disponíveis naquele país são propostas por um valor superior.

Ora, sabendo-se da importância do mercado teutónico para as vendas de automóveis da Europa, e da intenção da Tesla de aumentar a sua penetração no Velho Continente, a empresa liderada por Elon Musk estará já a preparar a criação de uma variante específica do Model S para a Alemanha… e não só. A solução passará por suprimir ao Model S 60D, a versão de acesso à gama, o equipamento necessário para que o seu preço final possa ficar nos 69.000€ (com impostos incluídos), critério indispensável para ser elegível para os mencionados incentivos.

E, ao contrário do que se possa pensar, os elementos “eliminados” nem chegam a descaracterizar um modelo que sempre se impôs pela sua tecnologia de ponta. É um facto que, nesta versão “económica”, o Model S poderá não ter activos dispositivos como o seu espectacular sistema de condução semi-autónoma Autopilot, a câmara traseira ou a função de streaming de áudio via Spotify, entre outros elementos que fazem do interior do Model S algo de muito especial. Só que o hardware que assegura o seu funcionamento não deixará de estar instalado no veículo, pelo que ao utilizador bastará solicitar (e pagar) a sua activação a posteriori e a qualquer momento, algo que na maioria dos casos até será realizado remotamente, através de um simples actualização de software, como em qualquer smartphone.

A ser uma realidade na Alemanha, nada obstará a que este Model S 60D mais acessível chegue a outras paragens. No caso português, nem é tanto por uma questão dos incentivos atribuídos aos particulares (embora não deixasse de haver quem apreciasse poder adquirir o topo de gama da Tesla a este preço). É que, a ser aprovado o Orçamento do Estado na forma em que foi proposto, estarão disponíveis no próximo ano até mil incentivos de 2.250€ a quem adquira um automóvel eléctrico novo, independentemente do seu preço, e sem que para tal seja necessário entregar um veículo para abate com mais de 10 anos, como hoje acontece.

A questão é, contudo, bastante diferente para as empresas. E para melhor. E aí, um Model S proposto por um valor final abaixo dos 62.500€ seria uma opção por demais interessante, mesmo que não beneficiando de qualquer incentivo à sua aquisição, por permitir a dedução do respectivo IVA. Ciente disso mesmo, Carlos Jesus, responsável máximo pela ZEEV, a empresa responsável pela introdução no mercado português da esmagadora maioria dos Tesla que circulam nas nossas estradas, está já a caminho da Holanda, justamente para negociar a vinda para Portugal de um Model S capaz de beneficiar dessa prerrogativa. Resta, agora, aguardar pelo termo das conversações.