Emprego

Facilitar a ponte entre o ensino e o emprego

A integração de um estagiário numa empresa traz vantagens para ambos: de um lado, experiência; do outro, inovação. O Santander Totta é pioneiro no apoio a esta relação.

NUNO VEIGA/LUSA

Samanta Domingues faz parte dos milhares de estudantes que, finalistas ou recém- licenciados, tentam entrar no mundo do trabalho através da porta mais frequente: o estágio. No entanto, as perspetivas nem sempre são as melhores: regra geral, os estágios não são remunerados e há empresas que têm uma política de rotatividade e não de verdadeira integração dos estagiários; no final, a grande porta é o desemprego e a frustração.

Não foi isso que aconteceu com esta finalista de Design e Multimédia da Universidade de Coimbra. Samanta integrou o Programa de Bolsas de Estágio Santander Universidades e todo o processo correu de forma fluida e transparente. “Tive acesso a este programa de estágios através do portal de emprego, fiz a inscrição e tive a sorte de a Universidade de Coimbra fazer parte dele”, afirma.

O Programa de Bolsas de Estágio Santander Universidades promovido pelo Santander Advance Empresas facilita o acesso de estudantes do ensino superior ao primeiro emprego e, ao mesmo tempo, apoia o crescimento de empresas através da integração de talento e inovação sem qualquer custo associado.

As bolsas de estágio, com a duração de três meses, são remuneradas e o seu valor é inteiramente suportado pelo Santander Totta.

Lançado em 2015, este programa conta já com mais de 50 instituições de ensino superior parceiras e prevê, até 2017, atribuir 1.500 bolsas de estágio em várias especialidades e pontos do país, apoiando quer o crescimento das empresas quer a integração dos estudantes.

Samanta fez o estágio na empresa DRT Moldes, em Leiria, e considera esta ponte entre o ensino e o trabalho essencial para o futuro: “o programa dá-nos a oportunidade de explorar e começar a aprender coisas mais técnicas e ligadas ao mundo do trabalho”.

Do outro lado, a DRT Moldes também faz um balanço positivo desta primeira experiência: “Ficámos muito satisfeitos com a simplicidade do processo e com a forma como correu”, afirma Sónia Calado, diretora-geral da DRT Moldes, que vê neste programa uma iniciativa bancária inédita.

Quanto à Samanta, o estágio trouxe-lhe o desejado: um emprego. “Integrou-se perfeitamente e prova disso é que ficou cá como nossa colaboradora”, desvenda Sónia Calado.

Nesta relação, há uma terceira voz que confirma o sucesso do programa. A da própria Universidade de Coimbra, na qual se desenvolveu o processo de candidatura, facilitando o contacto entre a empresa e a finalista. “Dos estudantes ou diplomados que tivemos a frequentar este programa, mais de metade encontrou uma continuação do primeiro contacto que tiveram com a empresa onde estagiaram”, confirma Madalena Alarcão, vice-reitora desta instituição de ensino superior. “É uma oportunidade demasiado interessante para não ter ainda mais divulgação”, acrescenta, frisando a importância de as universidades e o próprio Santander Totta tornarem mais visível esta possibilidade única para os estudantes do ensino superior.

O Programa de Bolsas de Estágio Santander Universidades continua aberto. No respetivo website, os estudantes do ensino superior podem candidatar-se diretamente, caso a sua instituição de ensino seja uma das parceiras do programa, consultar as ofertas disponíveis ou registar o currículo no site de emprego.

Santander Totta lança Prémio Voluntariado Universitário

Ainda no âmbito universitário, os estudantes que se dedicam ao voluntariado vão ter a oportunidade de ter outra recompensa, para além da social, pelo seu contributo.

O Prémio de Voluntariado Universitário, promovido pelo Santander Universidades, foi lançado neste mês e visa incentivar a prática de uma cidadania ativa através do voluntariado e reconhecer projetos promovidos por estudantes do ensino superior que se destaquem. Os três melhores projetos serão galardoados com prémios monetários de cinco, três e dois mil euros, respetivamente. Poderão existir também menções honrosas.

Conteúdo produzido pelo Observador Lab. Para saber mais, clique aqui.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: [email protected]
Emprego

Precariedade

Luís Campos e Cunha

A solução para o “desemprego a prazo” não é colocar a empresa no dilema do tudo ou nada, mas antes dar-lhe a possibilidade de renovar o contrato com a imposição de ser por um prazo crescente.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)