Lewis Hamilton pode ser suspenso pela Mercedes por ter desobedecido a ordens da equipa durante a o Grande Prémio de Abu Dhabi, que deu o título de campeão mundial da Fórmula 1 ao alemão Nico Rosberg. “Tudo é possível”, considerou o responsável pelos desportos motorizados da Mercedes, Toto Wolff.

Na fase final da corrida, o piloto britânico, que seguia na frente, recebeu ordens para acelerar, permitindo que Nico Rosberg, colega de equipa, acabasse em segundo lugar sem ter de se defender dos pilotos que vinham nas posições imediatas — bastava a Rosberg ficar no pódio para ser campeão.

Hamilton, que só seria campeão do mundo se Rosberg não terminasse entre os três primeiros, começou a reduzir o ritmo de corrida mas sem deixar qie Rosberg o ultrapassasse, tentando assim que os pilotos que seguiam atrás da dupla da Mercedes — Sebastian Vettel e Max Verstappen — conseguissem passar o seu companheiro de equipa, atirando-o para fora do título e dando o campeonato a Hamilton.

O responsável pelos desportos motorizados da Mercedes, Toto Wolff, não ficou satisfeito com a atitude, apesar de Hamilton já ter vindo dizer que não fez nada “perigoso ou desleal”. Uns dias antes, Hamilton tinha garantido que não ia tentar nada para impedir a vitória de Nico Rosberg.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O que é certo é que a atitude não caiu bem dentro da Mercedes — já se fala em “anarquia” –, uma vez que o piloto ignorou deliberadamente uma ordem via rádio do engenheiro da corrida, Pete Bonnington, e desobedeceu ao diretor técnico, Paddy Lowe, segundo o The Telegraph, ambas dando-se indicações para acelerar. A resposta de Hamilton pelo rádio foi perentória: “Sugiro que comecem a deixar-nos correr”.

Toto Wolff sublinhou, em declarações à imprensa, que “minar uma estrutura significa que te estás a pôr à frente da equipa. É muito simples, a anarquia não funciona numa equipa ou numa empresa”. O responsável admitiu ainda que “tudo é possível”, quando questionado sobre a possibilidade de Hamilton enfrentar uma suspensão interna.