Durante toda a minha adolescência fui chamada de “branquela”, “branca de neve”, “noiva cadáver” e muitas outras alcunhas que, não sendo pejorativas, fizeram-me crescer com a obsessão de ser morena. No verão ouvia coisas como “mas não vais à praia?”, e a verdade é que eu ia, mas quem é pálido de nascença pouco ou nada se bronzeia.

Hoje em dia, faço parte daquele grupo de pessoas que é pálido mas gosta e assume com orgulho a sua cor. E, felizmente, há cada vez mais mulheres a dar a cara por este manifesto. Emma Stone, Gwen Stefani, Cate Blanchett, Amanda Seyfried, Winona Rider ou Lily Collins são algumas das estrelas que nunca sentiram a necessidade de se tornarem cor-de-laranja para serem bonitas. E que acabam por ser uma inspiração quando chega o inverno, a cor saudável do verão já desapareceu e voltámos à nossa palidez. É mesmo disto que falamos hoje: a palidez também pode ser bonita quando bem explorada e maquilhada. Reunimos alguns truques:

View this post on Instagram

Keep smiling! ♥

A post shared by Emma Stone (@emmastone) on

O primer é simplesmente obrigatório

Um dos grandes problemas de quem é pálido é que, por vezes, este tom torna-se demasiado macilento e sem brilho — principalmente no inverno. Uma pele pálida mas brilhante tem logo outro aspeto. A melhor opção será escolher um primer de brilho que funcione como foco de luz (neste artigo falámos sobre os primers).

Não é só o tom da pele que importa, mas o sub-tom também.

Pouca gente liga ao sub-tom mas, na verdade, nas pálidas isto tem muita importância porque há poucas bases claras (se não sabe qual é o seu sub-tom de pele, este quizz do site Popsugar vai ajudar). Os sub-tons dividem-se em três: quente, frio e neutro. O quente aplica-se a quem tem a pele amarelada, o frio normalmente é para o pálido rosado e o neutro acaba por ser o que fica no meio e funciona praticamente com qualquer tom. Porque é que isto é importante? Porque não basta comprar uma base clara. Tem de se escolher o claro que tenha o nosso sub-tom. É por isso que há bases amareladas e bases rosadas.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Nem todas as bases dão para as peles pálidas

Encontrar uma base que funcione perfeitamente numa pele pálida é difícil porque, muitas vezes, mesmo o tom mais claro de uma marca é, mesmo assim, escuro. E é preciso ganhar consciência disso e procurar marcas que tenham um leque abrangente de tons ou que, pelo menos, tenham claros pálidos para não ficar com o rosto de um tom e o pescoço de outro. As nossas sugestões:

Bases

  • Eisenberg – a sua base Fond de Teint Correcteur Invisible tem um tom 0 (Natural Porcelain) extremamente claro e que cria uma espécie de película que oculta as imperfeições da pele, deixando-a com um tom natural. PVP. 80€.
  • MAC – o Studio Face and Body Foundation no tom white (é, literalmente, base branca) é perfeito para quem não consegue encontrar o seu tom ideal de base. Esta é uma dica de maquilhadores: basta misturar um pouco desta base naquela que já usa até encontrar o tom perfeito para o dia-a-dia. PVP. 30€.
  • Lâncome – a sua base Teint Miracle tem um leque abrangente de tons e, nos pálidos, tem o tom 0 (Beige Porcelaine para sub-tons rosados) e o tom 1 (Beige Albâtre para sub-tons amarelados). Tem ainda um conjunto de pigmentos pérola que realça a luminosidade da pele. PVP. 43€.
  • L’Oréal Paris – a sua base Accord Parfait tem uma fórmula que se funde imediatamente na pele e um leque abrangente de tons (desde rosados a dourados) para se conseguir encontrar aquele que é realmente o ideal para cada pele. PVP. 18€.
  • Estée Lauder – a sua base Double Wear Stay-in-Place tem 44 tons pelo que é praticamente impossível não encontrar um que funcione na perfeição. Os tons Shell (rosado) e o Ivory Nude (amarelado) são os melhores para as peles pálidas. PVP. 43€.

View this post on Instagram

Thank u New York gx

A post shared by Gwen Stefani (@gwenstefani) on

Uma cor de lábios errada pode criar um aspeto “doente”

Os batons “vamp” vão estar na moda este inverno, é verdade, mas são uma das tendências que dificilmente vai funcionar porque não são cores que complementem a palidez. Os batons que melhor vão destacar uma pele clara são: vermelhos, pêssegos, rosas, rosa avermelhado, ameixa e salmão. Os tons a evitar: castanhos, roxos, nudes, tons pastéis e laranjas.

O corretor também tem de ser do tom da pele

Encontrar um corretor que se funda de forma perfeita com a pele pode ser ainda mais difícil do que encontrar a base ideal. Mas é importante perder-se algum tempo em testes na perfumaria porque um tom mais escuro que a base vai estragar a uniformidade da pele e criar um efeito “pastoso” por haver sobreposição de tons. O Radiant Creamy Concealer de NARS é dos mais procurados (por ter um leque abrangente de tons, desde o Chantilly e o Vanilla, extremamente claros) e pode comprar online por 29€, acrescentando 4,60€ de portes. Algumas sugestões alternativas:

corretores

  • Sisley – o Phyto-Cernes Eclat só tem 4 tons mas o tom 1 é extremamente claro e disfarça instantaneamente olheiras e rídulas. PVP. 78€.
  • Shiseido – o Perfect Stick Concealer corrige e dissimula todo o tipo de imperfeições enquanto se funde imediatamente na pele. O tom 1 (light) é bastante claro e funde-se bem nas peles pálidas. PVP. 33€.
  • Catrice – o Liquid Camouflage oferece uma cobertura de longa duração e à prova de água para olheiras, vermelhidões e imperfeições. Tem poucos tons mas o 1o (porcelain) é universalmente claro. PVP. 4€.

O blush é importante mas…

… muitas mulheres pálidas têm a tendência em usar bronzers ou blush em tons demasiado escuros para criar um efeito mais “moreno” quando, na verdade, isso deixa a pele pesada. O ideal será usar tons que trabalhem com a palidez, destacando-a e dando-lhe um aspeto saudável, como os rosas ou os pêssegos claros.