458kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Televisão marroquina pede desculpa por ter dado conselhos de maquilhagem para "camuflar a violência"

Este artigo tem mais de 5 anos

Dois dias antes do Dia Internacional pela Eliminação da Violência Contra as Mulheres, uma televisão marroquina emitiu uma rubrica que gerou polémica entre os telespectadores.

O programa recorreu a uma modelo com marcas semelhantes a nódoas negras na cara
i

O programa recorreu a uma modelo com marcas semelhantes a nódoas negras na cara

O programa recorreu a uma modelo com marcas semelhantes a nódoas negras na cara

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Uma televisão marroquina transmitiu na semana passada, num programa da manhã, um segmento em que a apresentadora dava conselhos de maquilhagem destinados a “camuflar vestígios de violência”. Tratava-se de uma emissão especial a propósito do Dia Internacional pela Eliminação da Violência Contra as Mulheres e a maquilhadora, Lilia Mouline, deu algumas dicas para ajudar as vítimas de violência “a seguirem com as suas vidas”.

Recorrendo a uma modelo que apresentava marcas semelhantes a nódoas negras e outros sinais de agressões, a maquilhadora aplicou diversas técnicas. “Certifiquem-se que fixam a maquilhagem, porque se tiverem de trabalhar o resto do dia as feridas não se veem”, disse Lilia Mouline. “Mostrámos alguns truques para se maquilharem, continuar com a vossa vida e ir trabalhar sem preocupações”, acrescentou no fim.

https://www.youtube.com/watch?v=9bak1AP8EV8

A emissão gerou muitas críticas de telespectadores e de utilizadores das redes sociais, que não gostaram que a estação 2M tenha optado por transmitir este tipo de conselhos em vez de condenar os agressores e incentivar à mudança de comportamentos. Foi mesmo lançada uma petição online, já com quase duas mil assinaturas, a criticar a “mensagem de normalização da violência contra as mulheres” e a exigir à Alta Autoridade das Comunicações Audiovisuais (uma congénere da ERC portuguesa) que “aja contra a 2M”.

Dois dias depois do programa, a estação de televisão emitiu um comunicado no Facebook em que declara que “esta rubrica é completamente inapropriada e deriva de um erro de apreciação editorial”. A 2M acrescenta que “esta abordagem é totalmente contraditória à linha editorial da estação” e “apresenta as suas desculpas mais sinceras” pelo sucedido.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Lilia Mouline disse no programa que a violência doméstica é uma realidade “desoladora” que “infelizmente existe”. Já depois das queixas, a maquilhadora disse ao jornal marroquino Yabiladi que “não aprova este tipo de situações” e lamentou a polémica. “Fizemos isto para tentar dar soluções às pobres mulheres que deixam a vida social de lado durante um período de duas ou três semanas, o tempo que as feridas demoram a desaparecer. Essas mulheres já foram submetidas a uma humilhação moral e não precisam de se submeter ao olhar dos outros”, disse Lilia Mouline.

“Francamente, se eu puder devolver a moral a uma mulher que já sofreu uma humilhação e ajudá-la a que ela passe por esse período, não hesitarei”, acrescentou a maquilhadora.

Loja Observador Lifestyle

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.