Donald Trump tem conversado frequentemente com Barack Obama ao longo dos últimos dias, revelou à NBC a assessora do presidente eleito, Kellyanne Conway. A última conversa — sobre a situação em Cuba, depois da morte de Fidel Castro — foi este fim de semana e durou cerca de 45 minutos, acrescentou.

“Ele [Trump] tem falado com o presidente Obama. Além do encontro que tiveram cerca de 30 horas depois de o presidente eleito Trump ter ganhado a eleição, têm conversado regularmente sobre uma série de assuntos. Ainda ontem conversaram”, detalhou a responsável.

Conway acrescentou ainda que Trump e Obama “se dão muito bem”, apesar das diferenças. “Posso dizer, pela parte do presidente eleito Trump, que ele gosta muito de falar com o presidente Obama, de conversar sobre os assuntos sérios que este país e o mundo enfrentam”, sublinhou a assessora de Trump. Ainda assim, destacou, “eles discordam em muitos assuntos, e isso não vai mudar”.

A Casa Branca respondeu às revelações recordando as declarações do porta-voz, Josh Earnest, que já na semana passada tinha referido o assunto. Na altura, Earnest considerou que as conversas entre Trump e Obama “não são particularmente surpreendentes”, já que os dois tinham manifestado o interesse em continuar o diálogo para garantir uma transição bem-sucedida.

Durante a entrevista à NBC, Conway referiu-se ainda às críticas que tem feito a Mitt Romney, antigo governador do estado do Massachusetts, um dos nomes falados para o cargo de Secretário de Estado. “As pessoas sentem-se traídas ao pensar que o governador Romney, que tem questionado o caráter, o intelecto e a integridade de Donald Trump, que agora é o nosso presidente eleito, seja designado para o mais importante cargo na administração, que é o de Secretário de Estado”, sublinhou.