Os primeiros voos comerciais regulares entre aeroportos norte-americanos e Havana descolam esta segunda-feira, após mais de 50 anos de interrupção, um momento histórico que terá lugar, por um acaso no calendário, três dias depois da morte de Fidel Castro.

A 31 de agosto, a companhia JetBlue inaugurou o primeiro voo comercial regular desde 1961 entre um aeroporto dos Estados Unidos da América — Fort Lauderdale, na Florida (sudeste) — e uma cidade cubana — Santa Clara, no centro da ilha. Desde então, várias companhias seguiram o exemplo, com voos regulares entre os EUA e diferentes cidades cubanas, mas Havana ainda não estava contemplada.

O voo da American Airlines deve partir esta segunda-feira às 7h30 locais (12h30 em Lisboa) de Miami para o aeroporto internacional José Martí de Havana.”Tornamo-nos na primeira companhia aérea americana a propor um serviço regular com a capital cubana desde há mais de 50 anos”, disse à agência AFP Martha Pantin, porta-voz da American Airlines.

A partir de quarta-feira, a companhia vai ligar Havana e Miami, a “capital” do exílio cubano nos Estados Unidos, quatro vezes por dia. Outro voo diário parte de Charlotte, na Carolina do Norte, no sudeste dos Estados Unidos.

Também esta segunda-feira a JetBlue vai inaugurar a sua ligação direta entre Nova Iorque (nordeste dos Estados Unidos) e Havana às 8h58 locais (13h58 em Lisboa). Outros voos diretos da JetBlue para Havana estão igualmente previstos a partir de Orlando e Fort Lauderdale.

Até ao fim do ano, 110 voos diários diretos vão ligar Cuba e os Estados Unidos, dos quais vinte aterram em Havana.

Há quase dois anos, Washington e o regime cubano deram início ao degelo das relações bilaterais. Por coincidência, estes voos são inaugurados três dias depois da morte, aos 90 anos, do líder histórico Fidel Castro, pai da revolução cubana, que ‘enfrentou’ dez presidentes norte-americanos. Os norte-americanos podem viajar para a ilha apesar do embargo imposto a Cuba pelos Estados Unidos desde 1962.