Rafael Marques não se congratula com a formalização do nome de João Lourenço para candidato presidencial do MPLA às eleições de 2017, em Angola.

“Neste momento qualquer cidadão está em condições de substituir o presidente José Eduardo dos Santos”, afirmou, em entrevista à SIC Notícias. “O presidente sai e o regime fica”, enfatizou.

Para o ativista, os angolanos não querem só “uma mudança de caras”, face a um partido que está há 41 anos no poder. “O presidente não é o único mau da fita. Estamos aqui a falar de um regime, que vai permanecer. Os angolanos querem mudanças efetivas e que o poder seja devolvido às instituições do Estado”, afirmou.