A organização sem fins lucrativos The Internet Archive quer construir um backup no Canadá, ou seja, uma cópia de segurança dos conteúdos Web que tem em arquivo há 20 anos. Motivo: Donald Trump. Para os responsáveis da organização, os resultados das eleições legislativas de 8 de novembro representam uma “mudança radical” na administração. E, pelo sim pelo não, querem preparar-se para as restrições que aí vêm.

“A 9 de novembro na América, acordámos para uma nova administração que promete uma mudança radical. Foi um lembrete forte de que instituições como a nossa, construídas para o longo prazo, precisam de projetar a mudança”, lê-se no post que publicaram no blogue no final de novembro, e que foi noticiado pela Motherboard.

“Para nós, [o resultado das eleições] significou que temos de manter os nossos materiais culturais protegidos, privados e perpetuamente acessíveis. Significa prepararmo-nos para uma Web que vai enfrentar restrições maiores”, lê-se.

A Internet Archive diz que o objetivo para 2017 é criar uma cópia de todas as coleções digitais no Canadá, porque “muitas cópias mantém as coisas protegidas”. Assumindo que o projeto vai custar milhões de dólares, a organização pede aos contribuintes que façam um donativo (dedutível em IRS) para “certificarem que a Internet Archive dura para sempre”.

“Durante a história, as bibliotecas lutaram contra terríveis violações de privacidade – em que as pessoas foram perseguidas apenas pelo que liam. No Internet Archive, estamos a lutar para proteger a privacidade dos nossos leitores no mundo digital”, lê-se.

A Internet Archive nasceu há 20 anos para manter em arquivo tudo o que está na internet. Durante a corrida presidencial, o agora presidente dos EUA chegou a dizer que a internet aberta era uma das coisas que queria mudar. Num discurso recuperado pela Gizmodo, Trump diz que os EUA estão “a perder muitas pessoas por causa da internet”, referindo-se ao recrutamento de jihadistas.

“Temos de nos encontrar com Bill Gates e com muitas das pessoas diferentes que sabem mesmo o que se está a passar. Temos de conversar com elas sobre, talvez nalgumas áreas, fecharmos a internet”, disse Donald Trump. O então candidato republicano acrescentou que caso as pessoas contra-argumentassem com a “liberdade de expressão”, que era porque eram “pessoas tolas”.