532kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 32.99/mês aqui.

Bellen vence candidato da extrema-direita nas presidenciais austríacas

Este artigo tem mais de 5 anos

Alexander Van der Bellen venceu com mais de 53% dos votos, de acordo com as projeções. Norbert Hofer reconheceu derrota. "Teria gostado de tomar conta da nossa Áustria", disse.

Van der Bellen venceu as presidenciais austríacas
i

Van der Bellen venceu as presidenciais austríacas

AFP/Getty Images

Van der Bellen venceu as presidenciais austríacas

AFP/Getty Images

Alexander Van der Bellen é o vencedor das eleições presidenciais na Áustria, de acordo com o canal de televisão ORF, que citou as primeiras projeções realizadas após o encerramento das urnas. Van der Bellen, apoiado pelo partido ecologista e que se candidatou de forma independente, terá derrotado Norbert Hofer, do Partido da Liberdade, identificado com a extrema-direita.

O candidato ecologista disse que o resultado era uma vitória dos valores da “liberdade, igualdade e solidariedade”. “Eu tenho, desde o início, lutado e argumentado a favor da noção de que a Áustria é um país pró-europeu”, disse na televisão pública austríaca.

Com a contagem dos votos ainda a decorrer, as projeções apontam para uma vitória de Van der Bellen por 53,6% contra 46,4% de Hofer. As projeções indicam que Van der Bellen foi o mais votado nos grandes centros urbanos (Viena, Salzburgo, Innsbruck e Linz e Graz) e Hofer conseguiu o voto das zonas mais rurais.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Os resultados finais só serão conhecidos na segunda-feira, quando forem contados os cerca de 500 mil votos por correspondência.

O chanceler austríaco, Christian Kern, reagiu positivamente ao resultado destas eleições presidenciais. “Estou convencido de que com Van der Bellen vamos ter um Presidente que vai representar a Áustria de uma forma excelente doméstica e internacionalmente”, disse, sem referir o candidato da extrema-direita.

20636434_1200x300_acf_cropped

Norbert Hofer, o candidato da extrema-direita, era dado como favorito pelas sondagens

A votação deste domingo é a repetição da segunda volta das eleições presidenciais de 23 de maio. Dessa vez, depois de o centro-esquerda e o centro-direita terem falhado pela primeira vez levar um candidato à segunda volta das presidenciais, Van der Bellen chegou a ser declarado vencedor, com 50,3% dos votos. Hofer, que teve 49,7%, aceitou a derrota numa fase inicial. Porém, mais tarde, alegando graves irregularidades no processo eleitoral, interpôs um recurso. O Tribunal Constitucional deu-lhe razão e as eleições tiveram de ser repetidas.

Desta vez, Hofer voltou a dar os parabéns ao seu adversário por ter vencido as eleições. Tendo em conta a diferença dos votos deste domingo — consideravelmente maior do que aquela que se viu em maio —, Hofer deverá manter a sua palavra.

Numa mensagem divulgada através do Facebook, Norbert Hofer enviou os parabéns a Alexander Van der Bellen pelo sucesso eleitoral e pediu união aos cidadãos austríacos. “Somos todos austríacos, independentemente da forma como votámos”, escreveu o candidato derrotado. Agradeceu o apoio que recebeu, manifestou-se “incrivelmente triste” por ter perdido e adiantou: “Teria gostado de tomar conta da nossa Áustria”.

As sondagens realizadas durante a campanha eleitoral davam os dois candidatos numa luta renhida e alguns dos estudos colocavam Norbert Hofer à frente da corrida. Os primeiros resultados oficiais confirmam o sentido das projeções avançadas logo após o fecho das mesas de voto: Van der Bellen à frente com 53,5% e Hofer com 46,4%.

Europeístas, da Alemanha e não só, falam de “bom senso” e suspiram de alívio

Em Berlim, o resultado foi recebido com satisfação. Sigmar Gabriel, social-democrata e vice-chanceler no Governo liderado por Angela Merkel, declarou que “um fardo foi retirado da mente de toda a Europa” e acrescentou: “esta é uma vitória clara do bom senso contra o populismo de direita”.

Também o ministro dos Negócios Estrangeiros germânico, Frank-Walter Steinmeier, reagiu de forma expressiva aos resultados no país vizinho: “Toda a Europa suspirou de alívio”.

Manfred Weber, eurodeputado pela CSU, partido de centro direita aliado de Angela Merkel na Alemanha , afirmou que “os austríacos estão a enviar um claro sinal pró-europeu” e que “a celebração dos populistas de direita ficou cancelada por agora”.

O presidente do Parlamento Europeu, o alemão Martin Schulz, já deu os parabéns a Van der Bellen, realçando que o candidato ecologista “venceu as eleições presidenciais com uma mensagem e campanha claramente pró-Europa” e que a sua vitória “é uma derrota pesada para o nacionalismo, o anti-europeísmo e o populismo retrógrado”.

Outro alto signatário de Bruxelas a reagir foi o Presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk. Numa mensagem dirigida a Van der Bellen, escreveu: “Numa altura em que enfrentamos vários desafios difíceis, a contínua contribuição construtiva da Áustria para encontrar soluçoes comuns europeias e para manter a coesão europeia será essencial”.

François Hollande, presidente de França, declarou que a vitória de Alenxander Van der Bellen representa uma voto para a unidade da Europa e a tolerância e enviou os parabéns ao vencedor pela vitória “clara e incontestável”. Quanto a Marine Le Pen, líder da extrema direita francesa, disse que Hofer lutou de forma corajosa e antecipou que o Partido da Liberdade sairá vencedor das eleições legislativas que se realizarão na Áustria em 2017.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.