Cerca de 15.000 psicólogos escolhem na terça-feira o novo bastonário para os próximos quatros anos, entre três candidatos: Vítor Moita, Vítor Coelho e Francisco Miranda Rodrigues. Concorrem às eleições para os órgãos nacionais e regionais da Ordem dos Psicólogos Portugueses (OPP), para o mandato 2017-2020, três listas.

A Lista A ‘Psicologia Plural’ é encabeçada por Vítor Moita, a Lista B ‘Elevar a Psicologia’, por Vítor Coelho, e a Lista C ‘Mobilizar os Psicólogos’, por Francisco Miranda Rodrigues.

Em declarações à agência Lusa, Vítor Moita assumiu-se com um candidato de continuidade, afirmando que a sua lista pretende “aproveitar muito bem a experiência” dos seis anos da ordem. “Somos uma lista que pretende dar continuidade ao trabalho que tem vindo a ser feito, mas simultaneamente temos um programa muito ambicioso, com muitas medidas que se diferenciam claramente àquilo que tem vindo a ser feito, porque encaramos este próximo mandato de quatro anos como um novo ciclo”, disse Vítor Moita. Segundo o candidato, a ambição da sua equipa é tornar a OPP “bastante mais forte” e “cada vez mais próxima dos psicólogos”.

Já o candidato rival Francisco Miranda Rodrigues disse à Lusa que a candidatura da sua lista se deveu a considerar que o trabalho da ordem não correspondeu às expectativas criadas. “Nos últimos seis anos o trabalho feito pela ordem trouxe avanços, mas ficou aquém das expectativas, que eram muito elevadas quando a Ordem dos Psicólogos foi criada”, explicou. Por esta razão, defendeu, “queremos uma ordem que faça mais e melhor e que tenha uma gestão financeira rigorosa de forma a não onerar tanto o que os psicólogos pagam”, uma vez que têm “vencimentos baixos” e “contratos muito precários”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Também a Lista B, liderada por Vítor Coelho, pretende “mudar o estilo de governação” que tem sido seguido nos últimos seis anos. “É uma governação muito hierarquizada e centrada na pessoa do bastonário e muito preocupada com a estrutura”, disse Vítor Coelho, sublinhando que é “um estilo de governação que distancia a ordem das necessidades e dos problemas dos psicólogos do dia-a-dia”. O que a lista de Vítor Coelho preconiza é “uma reviravolta total na aproximação ao apoio aos psicólogos, à identificação dos seus problemas e a uma resposta eficaz”.

Os cerca de 15 mil membros registados nos cadernos eleitorais da Ordem dos Psicólogos Portugueses vão poder, pela primeira vez, escolher por voto eletrónico, além da habitual forma presencial, os órgãos nacionais e regionais da Ordem dos Psicólogos Portugueses para o mandato 2017-2020.