Formação

Google ajuda a formar jovens portugueses em competências digitais

327

O Atelier Digital promovido pela Google destina-se a ajudar jovens portugueses a terem sucesso na economia digital. A apresentação decorreu esta segunda-feira, em Setúbal.

Atelier Digital

Autor
  • Miguel Videira Rodrigues

A Google lançou, esta segunda-feira, o Atelier Digital, uma plataforma destinada a ajudar jovens portugueses a trabalharem as competências digitais. Inicialmente, a formação será feita apenas através de cursos online e, no início de 2017, com sessões presenciais para pessoas com ou sem grau académico, empregados e desempregados.

Os cursos online disponibilizam 23 módulos que cobrem diferentes áreas, tais como: pesquisa, email, redes sociais, rede de display, vídeo, e-commerce e web analytics. Esta formação baseia-se em tutoriais em formato vídeo, seguidos de algumas atividades. No final de cada módulo, os formandos terão um teste para que possam obter uma certificação (reconhecida pela IAB Europe).

Esta oferta formativa deve-se também ao que a União Europeia anunciou como sendo uma das grandes prioridades económicas e sociais: o desenvolvimento de competências digitais. De acordo com a Comissão Europeia, prevê-se que sejam abertas mais de 820 mil vagas que exijam competências digitais, tendo por base a premissa de que as empresas que decidem apostar nas habilitações tecnológicas são as que possuem maior probabilidade de sucesso. No entanto, o mesmo estudo indica que 90% das empresas europeias não possui capacidades digitais.

Segundo a Google, em Portugal mais de metade da população não possui grandes competências digitais, sendo assim um país onde esta empresa decidiu apostar na formação, contando com o apoio do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, do Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos e da SIC Esperança.

A formação dos jovens destina-se a dotá-los das ferramentas necessárias para que possam aproveitar as oportunidades da digitalização da economia e do empreendedorismo em Portugal. Na sessão de apresentação, esta manhã em Setúbal, esteve presente a secretária de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Maria Fernanda Rollo, o presidente do Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos, Nuno Mangas, e a presidente da SIC Esperança, Mercedes Balsemão.

“Ao trazer esta iniciativa para Portugal estamos a contribuir também para ajudar os jovens portugueses a terem um acesso mais fácil, não apenas ao conhecimento mas também à formação imprescindível nos tempos de hoje, ao mercado de trabalho e também a contribuir para o empreendedorismo.” declarou, em comunicado, Francisco Ruiz, Diretor de Assuntos Institucionais da Google Portugal e Espanha.

Os cursos presenciais vão ter a duração de três dias e serão lecionados em várias cidades portuguesas, tendo início em Setúbal, Leiria e Aveiro. A formação online e presencial é gratuita e os interessados podem obter informações extra e inscrever-se através do site oficial do Atelier Digital Portugal.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Winston Churchill

A arrogância da ignorância /premium

João Carlos Espada

Como devemos interpretar que um dirigente do segundo maior partido britânico venha dizer em público que o líder do mundo livre durante a II Guerra, Winston Churchill, foi um “vilão”?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)