Rádio Observador

Nova Zelândia

Primeiro-ministro da Nova Zelândia demite-se

Após oito anos no poder, John Key apresentou a sua demissão e alegou ter prejudicado a sua família devido a sacrifícios que fez para estar no cargo. Decisão foi uma surpresa.

O Partido Nacional vai reunir-se a 12 de dezembro para escolher um novo dirigente partidário e primeiro-ministro

Getty Images

Autor
  • João Pedro Pincha
Mais sobre

O primeiro-ministro da Nova Zelândia anunciou esta segunda-feira que vai demitir-se desse cargo e também da liderança do Partido Nacional. A decisão de John Key apanhou de surpresa os neo-zelandeses, que vão às urnas no próximo ano para eleger um novo governo. Depois de oito anos no poder, esperava-se que Key se recandidatasse, mas o primeiro-ministro demissionário alega que já “deu tudo” ao cargo.

Numa conferência de imprensa, o primeiro-ministro afirmou que sai do governo por motivos pessoais e familiares. “Este cargo exigiu bastantes sacrifícios às pessoas que me são mais queridas, a minha família. A minha mulher Bronagh passou muitas noites e fins-de-semana sozinha, houve muitas ocasiões importantes para ela em que eu não pude estar presente”, disse John Key, que há dias anunciou no Twitter que tinha celebrado o 32º aniversário de casamento.

Mas o político admitiu também que não foi apenas por causa da família que decidiu sair do poder. “Haverá sempre gente a inventar um milhão de teorias da conspiração, mas encorajo as pessoas a encararem a situação tal como ela é”, disse John Key, que acrescentou que prefere sair “no topo” da popularidade.

Depois de dez anos de liderança de Key, o Partido Nacional vai agora reunir-se para escolher um sucessor e candidato às eleições do próximo ano. O favorito de John Key é Bill English, atual vice-primeiro-ministro e ministro das Finanças. “Quem quer que o partido escolha terá o meu apoio incondicional, mas se English se candidatar, então votarei nele. Há já dez anos que eu e o Bill trabalhamos como equipa e pude testemunhar o seu estilo de liderança, a sua capacidade de trabalho, a sua compreensão da economia, o seu compromisso com a mudança e, sobretudo, a sua decência como marido, pai, colega e político”, disse o governante demissionário.

John Key é deputado desde 2002 e líder do Partido Nacional desde 2006. Foi eleito para primeiro-ministro pela primeira vez em 2008 e renovou os mandatos em 2011 e 2014. “Ainda não tenho planos para a minha vida profissional”, afirmou na conferência de imprensa.

O anúncio da demissão neste momento dá tempo a Bill English ou a outro possível sucessor para preparar a candidatura eleitoral. A governação de John Key gozou sempre de enorme popularidade, sobretudo devido à forma como lidou com a crise económica, com os grandes sismos (o de Christchurch à cabeça) e a crise da habitação no país. Durante o último ano, as sondagens foram mostrando o Partido Nacional a descer nas intenções de voto e quase todas as outras formações políticas a subir. Mas o último estudo de opinião, divulgado no fim de novembro, já mostra o partido de Key de novo a crescer.

Por isso, a saída de Key da cena política é uma “jogada estratégica muito inteligente”, disse Jennifer Lees-Marshment, professora de Política na Universidade de Auckland, ao jornal inglês The Guardian. Ele “deixa um conjunto de pessoas que podem continuar o seu trabalho”, afirmou a docente. “Se é verdade que a marca do Partido Nacional enfraqueceu, agora tem uma oportunidade rara de se rejuvenescer e aumentar as suas hipóteses de vencer, não apenas em 2017 como em 2020.”

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)