Tão cedo, não se vai ouvir da boca de Cavaco Silva uma palavra de análise à situação política e económica do país. Esta foi a única resposta que os jornalistas conseguiram tirar do ex-Presidente da República quando questionado sobre temas da atualidade,. Cavaco Silva realçou que, mesmo sendo uma “desilusão” para os jornalistas presentes, não faz “por enquanto quaisquer comentários sobre a vida política portuguesa”, remetendo, eventualmente, para o futuro tais declarações:

“Ainda vão ter que esperar algum tempo até que eu decida falar, se é que vou falar, sobre a situação política nacional”.

No dia em que foi formalizado como fundador de Serralves a título honorário, tal como os outros antigos Presidente da República até aqui, Cavaco Silva lamentou, em declarações aos jornalistas à saída do Conselho de Fundadores, “que não tenha sido possível até agora estabelecer parcerias entre a sociedade civil e o Estado noutras partes do país com sucesso semelhante a Serralves”.

Mostra bem que quando se mobilizam as vontades locais, neste caso do Porto, quando há brio das populações e o Estado se remete a uma posição de não interferir politicamente, não dar instruções, mas apenas cumprir o que consta dos diplomas legais, as coisas podem ter sucesso”, declarou o antigo primeiro-ministro, que assinou enquanto tal o decreto de fundação da instituição, em 1989.

O antigo governante, que se mostrou satisfeito e honrado pela integração no Conselho de Fundadores de Serralves, sublinhou, durante o discurso no encerramento da reunião, que “talvez o sucesso aqui no Porto se tenha ficado a dever ao dinamismo da região, ao carinho com que sempre as gentes do Porto trataram a Fundação de Serralves”, para além do trabalho desenvolvido quer pelos fundadores quer pelo Conselho de Administração.

Se este projeto tivesse ficado na dependência do Estado, sem a participação da sociedade civil, sem a independência do poder político, o que é que tinha acontecido? É minha convicção de que se fosse assim — Serralves na dependência do Estado — a fundação não teria alcançado a projeção nacional e internacional que já alcançou. Não teria conseguido dar o contributo que já deu”, declarou Cavaco Silva.