Um novo estudo vem fintar aqueles que pensavam que um cigarro por dia não fazia mal nenhum. Se é uma destas pessoas, desengane-se, porque os fumadores esporádicos multiplicam em nove vezes o risco de morrer de cancro, de acordo com um estudo de um investigador do Instituto Nacional do Cancro, citado pelo El Español.

A investigação analisou dados relativos a mais de 300 mil pessoas e concluiu que quem fuma menos de um cigarro por dia aumenta em 64% o risco de morte prematura. Já os que consomem entre um e 10 cigarros diários aumentam para 87% este mesmo risco.

“Este estudo revela que os indivíduos que fumam menos de um cigarro por dia, ou um cigarro por dia, durante toda a sua vida têm mais risco de morrer do que as pessoas que nunca fumaram ou que fumaram mas que pararam. Estes resultados mostram que existe risco em qualquer exposição com o fumo do tabaco”, diz o investigador principal do estudo.

Maki Inoue-Choi, investigador-principal, afirma que fumar poucos cigarros por dia também tem efeitos na saúde. E acrescenta que existe uma falsa ilusão nas pessoas, que continuam a acreditar que o consumo dos cigarros só mata se forem muitos. Mas esta não é a única dedução que sai deste estudo, com os investigadores a chegarem a outras conclusões:

  • Os resultados não variam muito entre homens e mulheres;
  • Quem fuma um cigarro por dia aumenta o seu risco de morrer por cancro de pulmão em nove vezes;
  • Quem fuma de um a dez cigarros diários aumenta em 12 vezes o seu risco de morrer de cancro de pulmão,
  • Os fumadores que consomem entre um e dez cigarros por dia aumentam em seis vezes o risco de doenças respiratórias;
  • Os que fumam um a dez cigarros por dia aumentam em 1,5 a hipóteses de terem doenças cardiovasculares;
  • A maioria das pessoas que afirma fumar um cigarro por dia já tinha, no passado, fumado mais.

O tabaco continua a ser uma das principais causas de disfunções que seriam evitáveis e mata uma em cada duas pessoas fumadoras, segundo a Organização Mundial de Saúde. No total, morrem cerca de cinco milhões de pessoas por ano devido ao consumo de tabaco — mais do que as mortes por acidente de carro, SIDA ou suicídio, juntas.