As 48 pessoas que viajavam no voo PK-661 das linhas aéreas do Paquistão morreram na queda do avião. “Ninguém sobreviveu“, disse o presidente da companhia aérea, Azam Sehgal, em conferência de imprensa.

Azam Sehgal indicou também que os pilotos informaram que um dos motores do aparelho deixou de funcionar, tendo depois emitido um pedido de ajuda e perdido a comunicação com a torre de controlo.

Às 16h14 (11h14 em Lisboa) pediram ajuda. Às 16h16 desapareceram do radar. Quando disseram que o motor tinha falhado pensamos que conseguiriam chegar ao destino, mas não o fizeram”, disse o presidente da companhia aérea.

Azam Sehgal informou que o avião foi adquirido em 2007 e tinha 18.739 horas de voo. A bordo do avião seguiam 42 passageiros, cinco membros da tripulação e um engenheiro da empresa. Entre os passageiros encontravam-se dois austríacos e um chinês. As Forças Armadas do Paquistão informaram, por seu lado, ter recuperado 40 corpos.

Em 2010, a queda de um avião em Islamabad provocou a morte a 152 pessoas. Dois anos mais tarde, num outro acidente de aviação 138 passageiros perderam a vida.