O escritor português José Luís Peixoto é o vencedor do Oceanos – Prémio de Literatura em Língua Portuguesa, organizado pelo Itaú Cultural, no Brasil.

Foi com o romance Galveias, lançado em Portugal pela Quetzal em outubro de 2014, que o escritor português convenceu o júri, formado pela professora e ensaísta Beatriz Resende, pelos escritores Cristovão Tezza, José Castello e Rodrigo Lacerda e pelos poetas Heitor Ferraz Mello e Sérgio Alcides.

O título do livro é uma homenagem à localidade alentejana onde o escritor nasceu há 42 anos. Para o júri, é “um mergulho no ‘Portugal profundo’ e rural, cuja narrativa alinha personagens emblemáticos desse universo arcaico a partir de um evento (a queda de um meteorito em Galveias)”, pode ler-se na página do prémio. É esse evento que confere à trama “um sentido cósmico a essa comunidade que se extingue entre rústica violência, desolação, melancolia e choque com a modernidade”.

galveias

Os restantes premiados são todos brasileiros. O segundo lugar também foi para um romance, no caso de Julián Fuks, escritor em ascensão, pelo romance A Resistência. Foi editado em Portugal este ano pela Companhia das Letras.

O volume de poesia O livro das semelhanças, de Ana Martins Marques, obteve o terceiro lugar, e Arthur Dapieve colocou-se como quarto vencedor, com os contos de Maracanazo e outras histórias.

Esta é a segunda edição do Oceanos, que veio substituir o Prémio Portugal Telecom. O vencedor recebe 100 mil reais, cerca de 27 mil euros à taxa de câmbio atual.

Os 10 finalistas foram escolhidos por um júri, a partir de uma lista de 50 obras semifinalistas, provenientes de um grupo de 740 títulos concorrentes, dos diferentes géneros – poesia, romance, conto, crónica e dramaturgia. Entre os 10 finais estava o escritor português Gonçalo M. Tavares, com o romance Uma menina está perdida no seu século à procura do pai.