A justiça francesa condenou, esta quinta-feira, um antigo ministro do Orçamento, Jérôme Cahuzac, a três anos de prisão por fraude fiscal e branqueamento de capitais no âmbito de um escândalo ocorrido no Governo de François Hollande.

O outrora defensor da luta contra a evasão fiscal, que deixou o cargo de ministro em 2013, também foi condenado a cinco anos de inelegibilidade. A ex-mulher, Patricia Menard, foi condenada a uma pena de prisão de dois anos.

Cahuzac foi considerado culpado de fraude fiscal e branqueamento de capitais por esconder a sua fortuna em paraísos fiscais em todo o mundo. O tribunal disse que o antigo ministro cometeu irregularidades “de extraordinária e rara gravidade”.

Cahuzac e a sua ex-mulher reconheceram possuir contas bancárias estrangeiras ilegais por duas décadas. Ambos já pagaram 2,3 milhões de euros em impostos atrasados às autoridades francesas.

O tribunal de Paris também sentenciou François Reyl, um banqueiro suíço, a uma pena de prisão suspensa de um ano e multou-o em 375.000 euros por ajudar o casal.

O escândalo alimentou a desconfiança pública em relação aos políticos tradicionais e aumentou as exigências de maior transparência, sendo que as eleições gerais em França decorrem no próximo ano.