Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Antes de morrer, Mário Cesariny fez um pedido: quando chegasse a sua hora, queria ser sepultado num jazigo do Cemitério dos Prazeres, em Lisboa. Não queria ir para a terra nem ser cremado, como tinha sido a irmã Henriette. Passados dez anos da morte, a sua vontade foi finalmente cumprida: o surrealista foi trasladado do gavetão número 29 do Talhão dos Artistas, onde tinha sido provisoriamente sepultado em 2006, para um jazigo só seu.

O monumento funerário, cedido pela Câmara Municipal de Lisboa, foi inaugurado esta quinta-feira numa cerimónia evocativa que contou com a presença do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa. No tributo, “Falta por aqui uma grande razão”, estiveram também o presidente da câmara Fernando Medina, o ministro da Cultura Luís Filipe Castro Mendes, amigos e familiares do poeta e pintor.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.