Poesia

Restos mortais do poeta Cesariny trasladados hoje em cerimónia nos Prazeres

Os restos mortais do poeta Mário Cesariny vão ser trasladados, ao fim de dez anos, esta quinta-feira para um jazigo individual, no Cemitério dos Prazeres.

serão escutados registos áudio de poemas declamados pelo poeta - como "Navio de Espelhos" e "História de Cão" - e alguns momentos musicais interpretados pelo Ensemble Casa Pia.

NUNO VEIGA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Os restos mortais do poeta Mário Cesariny (1923-2006) vão ser trasladados esta quinta-feira, às 12h00, para um jazigo individual, no Cemitério dos Prazeres, em Lisboa, numa cerimónia presidida pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

A cerimónia conta ainda com a presença do presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, do ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, do diretor cultural da Fundação EDP, José Manuel dos Santos, e de Teresa Caeiro, em representação da família.

O tributo tem como tema “Falta por aqui uma grande razão: nos dez anos da morte de Mário Cesariny”, e serão escutados registos áudio de poemas declamados pelo poeta – como “Navio de Espelhos” e “História de Cão” – e alguns momentos musicais interpretados pelo Ensemble Casa Pia.

Mário Cesariny faleceu a 26 de novembro de 2006 e, desde então, encontra-se provisoriamente sepultado no Talhão dos Artistas do Cemitério dos Prazeres. Cesariny passará a ter um monumento funerário com escultura projetado por Manuel Rosa.

A cerimónia assinala o 10.º aniversário da morte do artista plástico, considerado um dos principais representantes do movimento surrealista em Portugal.

Mário Cesariny de Vasconcelos foi poeta, pintor, e também desenvolveu um trabalho intenso de recolha, compilação e arquivismo das atividades artísticas.

Recebeu vários prémios pela obra escrita e plástica, nomeadamente o Prémio Vida Literária, da Associação Portuguesa de Escritores, e o Grande Prémio EDP de Artes Plásticas.

Depositou a sua obra plástica na Fundação Cupertino de Miranda, em Vila Nova de Famalicão.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Conflitos

Mediterrâneo

Luis Teixeira

Huntington defendeu, como Braudel, que a realidade de longa duração das civilizações se sobrepõe a outras realidades, incluindo os Estados-nação em que se supôs que a nova ordem mundial iria assentar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)