Cerca de 70.000 pessoas fugiram do leste de Alepo nos últimos dias, 4.000 só este domingo, noticiaram a agência e a televisão estatal sírias.

As forças governamentais sírias, apoiadas pelas forças aliadas russas, lançaram há três semanas uma ofensiva para recuperar a zona leste de Alepo, um bastião rebelde desde 2012, e já recuperaram cerca de 85% dessa área.

Dos 275.000 civis que viviam em Alepo quando foi lançada a ofensiva, cerca de 70.000 fugiu nos últimos dias, na sua maioria para centros de deslocados montados pelo governo na parte oeste da cidade, segundo a televisão estatal.

Só no dia de hoje, segundo a agência oficial, fugiram cerca de 4.000 pessoas.

Imagens difundidas pela televisão mostram longas filas de centenas de pessoas junto de autocarros enviados pelas autoridades para retirar os civis.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“Não há nenhum edifício que continue de pé”, disse Mohamed Khandaqani, administrador hospitalar residente no bairro de al-Maadi, perto da cidade velha, um dos bairros que continuam a ser intensamente bombardeados pelas forças do regime.

Segundo a televisão, os rebeldes apenas controlam uma área de sete quilómetros quadrados dos 45 quilómetros quadrados que controlavam antes da ofensiva.

O porta-voz do Ministério da Defesa russo, o major-general Igor Konashenkov, disse que 291 rebeldes se renderam, número que se junta aos cerca de 1.000 rebeldes que um responsável militar russo disse na sexta-feira terem-se entregado.