Os filhos do embaixador do Iraque em Lisboa, acusados de agredir um jovem em Ponte de Sor, saíram hoje do país num avião com destino a Istambul, avança a RTP.

Questionada pela Lusa, fonte oficial do gabinete do ministro disse que o Ministério vai contactar a embaixada iraquiana em Lisboa para pedir esclarecimentos sobre esta situação.

Já ao final da noite de hoje, o MNE disse ter recebido, “entretanto, da embaixada do Iraque, a informação de que havia sido remetida nota a comunicar a deslocação do embaixador e da sua família”.

“Logo que possível, averiguaremos se foi efetivamente recebida, nos nossos serviços, essa comunicação e, se sim, quando”, acrescentou a mesma fonte do MNE.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Ainda na semana passada, o Ministério Público divulgou um comunicado onde expressou vontade em constituir arguidos os gémeos iraquianos, considerando que para tal era “imprescindível o levantamento da imunidade diplomática”.

Na sequência da análise da resposta do Estado Iraquiano, o Ministério Público considera essencial para o esclarecimento dos factos, ouvir, em interrogatório e enquanto arguidos, os dois filhos Embaixador do Iraque em Lisboa, sendo, assim, imprescindível para os autos o levantamento da imunidade diplomática”, refere o respetivo comunicado divulgado na passada quarta-feira pela PGR.

Segundo o Expresso, o Ministério Publico não impediu a saída dos gémeos, apesar de ter sido contactado no momento em que estes embarcavam. Tendo em conta que os irmãos não estão sob qualquer medida de coação e têm o passaporte diplomático válido, tal como escreve o jornal, o MP não levantou qualquer objeção à saída do país.

Os dois rapazes são suspeitos de terem agredido Ruben Cavaco na noite de 17 de agosto, em Ponte de Sor, no distrito de Portalegre, na sequência de um alegado desentendimento entre os intervenientes. Ruben Cavaco sofreu múltiplas fraturas e chegou a estar em coma induzido — o jovem teve alta hospitalar no início de setembro.